Querido eu do futuro

Thalis Vilas Damas

Querido eu do futuro, 

Hoje estou escrevendo para você, pra nós. Acabou de tocar o sinal da escola e estou aqui sentado no pátio, observando a portaria, como um pássaro prestes a alçar voo pela primeira vez. Meu coração está batendo forte, tipo um artista prestes a pintar uma tela em branco com as cores dos meus desejos, sonhos e ambições. A ansiedade está ali no cantinho, uma  companheira constante, como uma maré que vai e volta, trazendo consigo dúvidas e esperanças.

Olhando pra trás, vejo um monte de memórias se entrelaçando. Cada professor era uma luz, iluminando meu caminho com paciência e sabedoria. Cada amigo foi uma estrela brilhando nas noites escuras, tornando tudo mais leve. As provas, os trabalhos, as noites em claro, tudo foi parte de uma dança que me trouxe até aqui, à beira deste grande salto.

Meus sonhos são como sementes plantadas no solo fértil da minha imaginação. Quero fazer medicina não só pelo status, mas porque quero tocar vidas, ser a mão que cura, o ombro amigo. Imagino um futuro onde ciência e compaixão andem juntas, transformando dor em esperança, lágrimas em sorrisos.

Este novo passo que estou prestes a dar, a entrada na faculdade, é uma ponte que me leva a um horizonte desconhecido. Sei que os desafios vão ser muitos, tipo montanhas no caminho, mas a vista do topo promete ser extraordinária. 

Espero que quando você ler essa carta, possa olhar pra trás com um sorriso no rosto e um coração cheio de orgulho. Que as escolhas de hoje tenham virado conquistas que nos levaram até aqui. Que os amigos que fiz tenham ficado por perto, que os professores que me inspiraram tenham visto meu progresso e, acima de tudo, que eu tenha me tornado o cara que sempre sonhei ser.

Ela

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *