Menu
Campus UFSC – Jair Quit

Sobre (re)começos: 20 anos de UFSC

Elaine Teixeira Pereira

Quem viveu a chegada do ano 2000 foi testemunha de profecias várias acerca do fim do mundo. Apesar de achar que nada daquilo seria verdade, que o mundo não iria acabar na virada do século, não foi sem expectativas que esperei a meia noite de 31 de dezembro de 1999. Para mim, em especial, havia um forte motivo para que o mundo não acabasse: tinha sido aprovada no vestibular e dentro de poucos meses ingressaria no curso de Pedagogia da Universidade Federal de Santa Catarina, a UFSC.

A notícia de ter passado no vestibular foi uma grande surpresa, uma vez que a maior probabilidade era isso não ocorrer. Durante a infância e adolescência, o prolongamento dos estudos em nível superior sequer fazia parte de meu horizonte de expectativa e do que meus familiares poderiam vislumbrar. O máximo que se sonhava era a conclusão do então 2º Grau que, enquanto eu o cursava, passou a se chamar Ensino Médio. Tampouco havia me dado conta das possibilidades existentes no que se refere aos cursos de Ensino Superior, ou às instituições que os ofereciam em Santa Catarina. Esse mundo (possível?) somente se abriu no 2º ano do Ensino Médio, quando fui cursar Magistério em um colégio da região central da cidade de Imbituba (onde nasci e morei até meados da graduação na UFSC). A transferência para o colégio central foi um primeiro deslocamento, em vários sentidos, tanto pelo trajeto diário de ônibus entre meu bairro distante e o Centro (mais de duas horas, contando ida e volta), quanto pela experiência de estudar em um lugar com muitas turmas, salas, alas, com escadaria e biblioteca, com professores que mostravam diversos e interessantes perfis e trajetórias.

Neste primeiro contexto de descobertas para além do ambiente social no qual havia crescido, dois professores foram decisivos: professor Igor, que havia estudado Educação Artística na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), e professora Vera, formada em Psicologia na UFSC. Esta, em especial, contava-nos sobre a vida na universidade. Ela convivia intensamente com nossa turma de Magistério, tanto devido à sua postura docente e aos laços que mantinha conosco, quanto pela carga horária de trabalho, pois era nossa professora de Psicologia da Educação, Sociologia da Educação e pelo menos de mais uma disciplina que não me recordo.

Após descobrir a existência da UFSC e de ouvir as histórias da professora Vera, passei a nutrir o desejo de estudar em Florianópolis. Mas isso parecia muito distante, tanto física quanto simbolicamente. Cheguei a conversar sobre o assunto com algumas colegas de turma, especialmente quando estávamos prestes a concluir o curso. Nossa formatura se aproximava. Fazer planos profissionais para o ano seguinte era o mais comum entre as colegas e a maioria pretendia iniciar a carreira docente. Eu não me sentia preparada para ser professora. Também não me agradava a possibilidade de depender de políticos locais para “conseguir uma vaga” (a realidade poderia não ser exatamente essa, mas era o que eu ouvia). Além disso, acho que já estava seduzida pela UFSC para desistir dela sem nem mesmo tentar.

Por outro lado, sabia que precisaria continuar trabalhando e desejava fazer algo diferente do que havia experimentado como fonte de renda: trabalhos informais de vendedora ambulante, babá, empregada doméstica, e o emprego formal em uma fábrica de roupas para banho e prática de surf (que iniciou concomitantemente ao 3º ano do Magistério e marcou a necessidade de transferência para o turno noturno). Na fábrica, meu trabalho diário consistia em passar a ferro centenas de bolsos, usando um molde específico feito de uma espécie de papelão grosso. Na linha de produção, tal estágio antecedia o de costurar os bolsos nas bermudas que seriam usadas como artigos de moda praia. Não era um trabalho fácil, nem prazeroso. A distância geográfica entre os três espaços – casa, fábrica e colégio – também não ajudava e fazia com que eu precisasse estar “na rua” antes das seis horas da manhã e retornasse apenas por volta da meia noite.

O término do Ensino Médio e o trabalho na fábrica provavelmente foram importantes para que eu avançasse no projeto de estudar na UFSC. Após cursar Pedagogia, estaria apta a ser professora, pensava. O plano, portanto, prometia a solução de grande parte de meus problemas. Porém, havia algo a ser considerado: passar no exame vestibular e, posteriormente, me manter em outra cidade.

O primeiro ano de estudos para o vestibular não funcionou muito bem e, em razão disso e de diversos motivos pessoais, não fui fazer as provas, apesar de estar inscrita. No ano seguinte organizei uma rotina diária de estudos, focando especialmente nas áreas do conhecimento que conhecia um pouco mais (algumas me pareciam completamente incompreensíveis). Os dias de vestibular foram tensos e uma rede de conhecidos e amigos precisou ser acionada para que eu tivesse como ir até a capital e lá permanecesse por três dias.

Não foi sem grande alegria e emoção que recebi a notícia de ter sido aprovada na UFSC e também não foi sem um grau considerável de insegurança que iniciei o curso. Nos primeiros dias imaginava que poderia haver outra pessoa com o mesmo nome que eu apresentando-se aos professores no momento da chamada, no início de cada aula. Outros medos povoaram meu imaginário de caloura: o trote; o uso da biblioteca para empréstimo de livros; o manuseio dos equipamentos disponíveis, como os computadores, com os quais não havia tido contato anterior. A viagem diária para frequentar as aulas era um desafio a mais. Porém, aos poucos fui me adaptando, compreendendo o funcionamento do mundo acadêmico, criando vínculos, fazendo parcerias. No final do segundo ano de curso, as viagens diárias passaram a não ser mais necessárias, uma vez que pude morar em Florianópolis. Isso tornou a experiência mais intensa, ampliou minhas possibilidades e trouxe novos elementos para meu processo de integração social e acadêmica.

Por uma série de razões, ligadas tanto às possibilidades que o acesso ao Ensino Superior traria a alguém das classes populares e do “interior”, quanto à minha trajetória em particular, o ingresso na UFSC foi um grande ponto de inflexão. Foi, sem dúvida, o que de mais rico, inusitado e desnorteador poderia ter-me acontecido. Em meio a muitos aprendizados, um mundo totalmente novo e interessante se abria diante dos meus olhos. As diversas disciplinas da graduação, cada uma apresentando infinitos conhecimentos (que eu levaria mais que toda a vida para compreender!); o entendimento de que alcançar a condição de aluna autônoma seria decisivo; a percepção de que eu pouco sabia; o contato com alguns professores que mudaram minha vida: todas essas (e muitas outras) foram experiências da graduação.

Uma situação parece ilustrativa dessa fase de descobertas. Eis que estamos na primeira semana de curso e entra em sala o professor de História da Educação para sua primeira aula. Após se apresentar, escreve no quadro a seguinte frase: “Tudo é uma invenção”. Passa a discorrer sobre ela e a nos fazer perguntas. Acho que fiquei pensando sobre a frase, mas não muito. Nas aulas seguintes, ele recorreu à mesma frase, de modo um tanto sistemático. A assertiva do professor de História passou a ser pauta em nossos momentos de intervalo. Ríamos do “Tudo é uma invenção”. Lembro-me de uma tarde em que, no horário de lanche, usamos bastante este que nos parecia um bordão, ao questionar se o café, o suco, o sanduíche, a fruta estariam mesmo ali, ou seriam “uma invenção”. Aos poucos fomos deixando de rir e nos dando conta do que o professor estava tentando dizer. Não tinha mais graça. Pelo contrário, as aulas de História da Educação passavam a nos mobilizar cada vez mais, trazendo sérias e nem sempre palatáveis reflexões e constatações.

Foi também nessa disciplina que me deparei pela primeira vez com uma dissertação de Mestrado. Demorei para entender do que se tratava, inclusive para interpretar seu conteúdo. Ela foi apresentada a nós num contexto de trabalho em grupo, como forma de avaliação. A atividade consistia na leitura do material entregue pelo professor e na apresentação de um seminário. De acordo com o que nos pareceu acertado, dividimos os capítulos entre as integrantes da equipe e cada uma ficou com a responsabilidade de ler e apresentar “seu” capítulo ao professor (isso mesmo, ao professor, pois não passava pela nossa cabeça que a apresentação seria também para os colegas e que poderia gerar discussões). Meu capítulo era o quarto e só havia feito cópia dele. Acabou dando relativamente certo a apresentação, não fossem as evidentes dificuldades de compreensão do todo, devido à leitura exclusiva que cada uma fez de “seu” capítulo; e por uma colega ter chamado o material de “apostila”. Isto deixou o professor um tanto irritado e levou-o a argumentar sobre a inadequação da expressão.

Ao rememorar esses acontecimentos, não poderia deixar de mencionar o professor Élio Cantalício Serpa, docente de História da Educação, pelo que significaram suas aulas; e também o professor Henrique Luiz Pereira Oliveira, autor da dissertação, que até hoje (e imperdoavelmente) nunca fui conhecer pessoalmente no vizinho Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC. Preciso revelar que jamais esqueci seu nome e o título da dissertação e que antes do final daquele semestre fui até a biblioteca em busca do trabalho – que foi lido integralmente por mim, não sem uma considerável dose de fascínio. Perguntava-me, na ocasião, como uma pessoa pode escrever algo tão interessante e como se faz para saber tantas coisas como aquelas, escritas em centenas de páginas. Hoje me encontro em meio à escrita de uma tese de Doutorado e não é sem emoção que me recordo de quando, pelas mãos do professor Élio e pelas palavras do professor Henrique, comecei a me aproximar do métier da produção científica.

Foram muitas as experiências vividas nas primeiras fases do curso. Algumas delas, como as aulas com professor Élio e as de Pensamento Pedagógico Brasileiro I, com a professora Marli Auras, foram bastante importantes para que a História da Educação passasse a ser a maior de minhas preferências acadêmicas. A Sociologia da Educação veio logo depois, apresentada pela professora Maria das Dores Daros, a qual também seria responsável por meu ingresso no universo da pesquisa, na condição de bolsista de Iniciação Científica. Por motivos e circunstâncias várias, ainda alimentamos essa parceria. Mas essa é outra história…

Estar no Ensino Superior realmente trouxe diversas possibilidades, como o exercício da docência e da coordenação pedagógica em instituições de Educação Básica. Algum tempo depois, o Mestrado em Educação abriu outra frente, a docência no Ensino Superior, lugar em que me encontro no momento e que é dividido com a função de aluna, doutoranda em Educação. Nessa dupla função, lido diretamente com estudantes de graduação e participo de alguma forma de sua formação. Procuro manter com elas/es uma relação próxima. Busco também contribuir para que se sintam seduzidos pelo conhecimento, mobilizados em aprender e para que entendam a importância de trabalhar com afinco na construção de sua autonomia intelectual. Recebê-los/as na primeira fase do curso é, em especial, uma alegria. Há que se ter sensibilidade, cuidado, acolhimento e rigor (rigor científico, acadêmico, intelectual, mais ainda num contexto em que tudo isso é atacado e desvalorizado socialmente). Alguns estudantes chegam aparentemente familiarizados com o ambiente universitário, outros tantos mostram não saber direito o que irão encontrar nessa etapa da trajetória de escolarização. Os olhares destes, ora assustados, ora curiosos, são provavelmente um tanto parecidos com os da garota que, há 20 anos, pisava pela primeira vez na Universidade.

Muita coisa aconteceu nesse tempo. Mudei um tanto. Aprendi bastante. A lista do que falta aprender (aquela que comecei ao ingressar na UFSC), porém, não diminuiu. Pelo contrário! E já desisti de tentar impedi-la de aumentar. Também me acostumei às desestabilizações próprias do conhecer. Isso não significa, em absoluto, deixar de senti-las e, algumas vezes, sofrer com elas. Considero a UFSC como minha casa de (re)começo e sou grata pelo que me proporcionou, não apenas profissionalmente falando. Há amizades e amores que vem sendo cultivados ao longo desses anos e que fazem de mim uma pessoa muito melhor. Uma pessoa que se preocupa com e trabalha pela formação – a própria e a de outros sujeitos.

Florianópolis, outono/2020.


Imagem de destaque: Universidade Federal de Santa Catarina – Campus Florianópolis. Foto: Jair Quint

This Post Has 2 Comments
  1. Elaine Teixeira Pereira foi uma das pessoas mais brilhantes para quem já lecionei. Isso vale para a UFSC e para as outras instituições em que estive nas últimas décadas. Gostaria de ter sido capaz de ministrar aulas que, em qualidade, estivessem mais próximas do que ela merecia.

  2. Que trajetória inspiradora! Ajuda a lembrar que os tempos difíceis passam e que no persistir, há ganho. Alegria em ler algo positivo em tempos como esse que vivemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *