Professor: até que ponto contribui para a decadência do ensino no Brasil? – exclusivo

Tiago Tristão Artero

Qual linha pedagógica seguir? O que fazer para o aluno aprender e motivar-se? Como encontrar um caminho em meio a tantas informações e possibilidades de atuação? Para sairmos do marasmo educativo, em qual faixa etária é possível inovar?

O fato é que o ensino no Brasil vai mal.

Os profissionais da educação encontram dificuldade até mesmo em dizer sob qual olhar pedagógico atuam, não pelas possibilidades de manifestação da educação, mas porque, em muitos casos, nem mesmo sabem sob quais olhares a educação se desenvolveu.

Traçando um paralelo com o ensino de décadas anteriores, a maioria das instituições tinha no Ensino Tradicional sua referência de atuação. Agora, as manifestações do ensino estão confusas. Não se sabe, ao certo, qual caminho trilhar em meio a tantas possibilidades de conteúdos e práticas pedagógicas. 

Anote-se que o mais assustador é que os profissionais da educação parecem não saber do que se trata quando são feitos apontamentos sobre a própria atuação.

Percorro escolas conversando com professores e ministrando palestras. Há, em muitos casos, uma mistura de conceitos, que ao meu ver, quando feita conscientemente, torna-se uma possibilidade de atuação, mas que, quando a prática está desvinculada e descompromissada de qualquer reflexão, consolida-se a exteriorização da ignorância. Esses “frutos” serão o “alimento” dos nossos alunos… filhos… netos.

Já citei, em edições anteriores, as possibilidades de atuação que cabe a todo profissional da educação saber, pois é a prática do próprio professor. Prendemo-nos a detalhes e tarefas do dia-a-dia… esquecemos de saber o que estamos fazendo.

Parece que a reflexão não faz parte do ser humano… nem na educação… nem na política… nem nas exteriorização de opiniões, muitas vazias… nem mesmo quando deixamos de fazer o que tanto recomendamos aos nossos alunos: “fazer do estudo o porto seguro de nossa prática”!!!

Assim, deixamos de lado os conceitos basilares de cada matéria. Relegamos ao Ensino Infantil e Ensino Fundamental 01 o que há de pior na educação, mesmo sabendo que quando a educação começa mal (primeiros anos), termina mal (Ensino Médio, Ensino Superior e mercado de trabalho).

Por que nos assustamos quando vemos o Brasil como um dos campeões em má qualidade da educação? Por acaso é possível estabelecer uma relação de confiança quando relegamos o público mais importante (as crianças) à condição de alunos “café-com-leite”, desvinculando o lúdico do processo ensino-aprendizagem, viciando a atuação dos profissionais ao comodismo que não busca o ensino de excelência. Mais triste é quando tratamos os alunos como “clientes” e os professores como “serviçais da má educação”.

Há que valorizar dois pontos fundamentais para que não prostremos nossa sociedade à condição de precariedade e busquemos o desenvolvimento cultural e social: manter o profissionais do Ensino Infantil e Ensino Fundamental 01 em constante estudo e reflexão da própria prática e entender que as crianças merecem a melhor (não a mais cara) estrutura física e humana para seu atendimento (consequentemente as políticas e adaptações para tal) . O restante é “blá, blá, blá”.

This Post Has 2 Comments
  1. Bom dia!
    Isso é um trabalho de décadas de descaso e doutrinação de “artistas”, “intelectuais” e políticos. Os “artistas” elogiam a ignorância e a sexualidade com músicas atacam a lingua portuguesa e elogiando a sexualidade.
    Os “intelectuais” que em seus “estudos” preferem mudar a lingua portuguesa com a “reforma ortográfica” ao invés de criticar o erro e incentivar o ensino correto do idioma.
    O político a o político esse sim é o grande responsável por essa situação. Através dessa situação de calamidade eles aparecem como “salvador da pátria” com suas soluções “mágicas” com suas bolsas e principalmente com seus discursos que mexem com nosso interior. O político é o principal beneficiado por essa situação que eles se elegem com a ignorância dos eleitores e se perpetuam no poder devido a essa ignorância. Para compensar seus aliados eles criam a “lei de cultura” para manter o artista com dinheiro dos pobres. Ajudam o intelectual a criticar quem realmente quer mudar e claro se beneficia pela propaganda que os outros dois grupos fazem para ele se perpetuar no poder.
    Em resumo com essa situação de calamidade todos estão ganhando.

    1. Saudações, obrigado por comentar.
      Vamos elencar alguns pontos sobre o comentário.
      Quando cita doutrinação, é importante elencar a qual conjunto de ideias está se referindo.
      Sobre as artistas e os artistas, são fundamentais, pois objetivam conhecimento historicamente acumulado no decorrer da história da humanidade, e a Arte, nas suas mais diversas manifestações são tão importantes quanto as ciências, a filosofia e as práticas laborais que permitem a modificação da natureza para a sobrevivência humana e manutenção dos recursos.
      A atividade intelectual também é imprescindível. Mudar a língua, refletir sobre ela, resignificá-la, juntamente com as práticas humanas é fundamental para o desenvolvimento de uma sociedade mais humanizada. Há preciosismos desnecessários, neste ponto concordo contigo.
      Os políticos são homens e mulheres do nosso tempo histórico e vulneráveis ao sistema que está posto, o capitalismo. Temos que refletir sobre o papel deles, pois, concordando contigo , inserem narrativas enganosas , por vezes.

      Garantir a educação, a arte, o desenvolvimento da ciência (humanizada) e novas práticas que possibilitem a transição para uma sociedade com maior participação popular, mais igualdade e mais riquezas distribuídas (dado que vivemos num mundo de abundância, mas, propositalmente mergulhado na excassez) é fundamental.
      Assim como devemos ter o mínimo de saúde e educação, também precisamos de lazer, leitura e reflexão sobre as origens dos problemas sociais… elementos que farão com que tenhamos um mundo mais justo e seguro.
      Por fim, garanto que o papel das artistas e dos artistas, das intelectuais e dos intelectuais é fazer com que reflitamos sobre a vida, desenvolvendo nossos sentimentos e sempre questionando sobre as contradições políticas, econômicas e sociais que se apresentam.
      Saudações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *