Plano de vista 2019 – Auditoria cidadã da dívida

Deputada Beatriz Cerqueira no Plenário Presidente Juscelino Kubitschek da ALMG. Foto: Daniel Protzner/ALMG

 Carlos Henrique Tretel

Quero falar com você hoje, leitor, sobre a fala final de Maria Lucia Fattorelli, no Seminário: Reformas Previdenciária E Administrativa E Dívida Pública, registrada entre 1h45min e 1h50min da gravação, quando ela nos instiga a contatarmos parlamentares, partindo para cima deles, a fim deque eles nos deem voz.

Na legislatura passada, depuramos os parlamentares comprometidos com a sorte do povo brasileiro colocando-os todos sobpressão no início de 2017, com manifestações de rua e deflagrações de greve, semelhantes talvez às que vemos se iniciarem hoje, Dia Nacional de Luta contra o Desmonte da Previdência.

Nesta legislatura, com a chegada do PSL ao poder, o número de parlamentares comprometidos com a nossa sorte por certo diminuiu. Os ataques à Constituição Federal (CF) aumentaram. Nada, entretanto, que uma boa dose de pressão não recoloque as coisas (o respeito à CF, especialmente) no seu devido lugar, acima de todos. Resistir continua sendo a palavra de ordem. Com redobrado vigor, logicamente, devido a chegada da extrema-direita ao poder. Para extrema-direita, extrema-resistência!

Falarmos aos quatro ventos sobre Auditoria Cidadã da Dívida é, de fato, extremamente necessário e urgente. Assim, a título de contribuição para com a extrema-resistência proposta por Fattorelli, relato desde o início deste ano, em forma de comentário, as reuniões das Câmaras de Vereadores de Mariana e Ouro Preto para as companheiras e companheiros dos grupos de zapzap de que participo, intitulados ‘Pelas Auditorias’ e ‘SindUte-Inconfidentes’. E hoje, se me permite, quero engajar você também nessa onda, leitor.

Se queremos ter voz nas Casas do Povo, precisamos (depois de bem assimilados, com a ajuda de seminários como o ocorrido na ALMG no último dia 25 de fevereiro, os fundamentos e propósitos da Auditoria Cidadã da Dívida) ocupar os espaços e tempos de interação desenvolvidos por elas mesmas para comunicação social (já disponíveis, pois,  à população pelo Facebook, notadamente) fazendo com que sirvam, essas ferramentas institucionais,às causas populares, entre elas a daAuditoria Cidadã da Dívida. Se assim quisermos, assim será.

Nem toda cidade tem parlamentar, como bem alfinetou Fattorelli, comprometido em dar voz aos interesses do povo. Por isso mesmo, assim também entendo, devemos de fato partir para cima deles. Para fazê-los acordar. Nesse aspecto, a cidade de Belo Horizonte é uma rara exceção, feliz cidade a indicar o norte, mais Belo Horizonte, refletir sobre o sistema da dívida. Para isso, tem à frente omandato de vanguarda do vereador Gilson Reis desde quando este presidiu, nos idos de 2017, a CPI da PBH Ativos. Lembram-se? Recentemente, mais precisamente no último dia 13, promoveu o vereador reunião extraordinária da comissão que preside (CDH) para discussão da reforma da previdência e da dívida pública. É um trabalho parlamentar exemplar. Atípico, por ora. Que esperamos oxalá, em breve, ver replicado.

Pois, grosso modo, em nossas casas legislativas a discussão se dá entre parlamentares que debitam a má qualidade dos serviços públicos ao gestor da ocasião ou à insuficiência de recursos financeiros. Quando na oposição, bem sabemos, a tendência é que achem que os problemas decorrem de má gestão; na situação, de insuficiência de recursos. Essa discussão precisa ser urgente e extremamente ampliada, acrescentando-se a ela a perspectiva de que somos todos, situação e oposição, vítimas de um sistema perverso, o da dívida pública.

Para que essa discussão ampliada aconteça, no entanto, precisamos provocar que mais parlamentares se tornem protagonistas de eventos como os promovidos por Beatriz Cerqueira, Rogério Correa e Gilson Reis recentemente. Com esse objetivo é que frequento semanalmente as páginas das Câmaras de Mariana e Ouro Preto no Facebook. E que peço o seu engajamento, leitor…

Por aqui, por nossa seção Planos de Vista, você ouvirádurante todo este ano eu falar muito sobre Auditoria Cidadã da Dívida.  Chego à conclusão de que para voltarmos um dia a falar sobre Plano Nacional de Educação, teremos, antes, que realizar AuditoriaCidadã da Dívida.  Temos hoje, resumidamente, que entender de economia para podermos amanhãvoltar a falar sobre sistema nacional articulado de educação. A situação é esta.

Assim, convido-o para esse fim, leitor, a visitar as páginas do Facebook das Câmaras de Vereadores de Mariana e de Ouro Preto. Curta-as, comentando e compartilhando os vídeos das reuniões ordinárias, puxando, sempre que possível, o assunto auditoria das dívidas. Os relatos em forma de comentário de que falo se encontram por mim postados sempre no início das gravações.   Faço isso para que você possa facilmente localizá-los e comentá-los, se assim desejar. Vamos nessa? Prá cima dos parlamentares? Através das páginas no Facebook de nossas próprias casas? Casas do Povo?

É do povo ou não é?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *