Menu

O sertão na educação: a influência de Affonso Arinos na obra didática de Olavo Bilac

Vanessa Martins Gonçalves*

 

Affonso Arinos foi um mineiro nascido em Paracatu em 1868, formado em Direito pela Universidade de São Paulo. Arinos não se restringiu ao exercício da advocacia, atuando na literatura regionalista entre o final do século XIX e inicio do século XX. Nascido em uma família de juristas e abastada do sertão mineiro, desde menino teve contato com as terras e as gentes do sertão, acompanhando seu pai Virgilio de Melo Franco em viagens ao sertão do Brasil.

A sua presença na literatura começou ainda na faculdade quando escreveu os primeiros contos que mais tarde seriam reunidos e publicados no livro Pelo Sertão. Representante de uma literatura regionalista, Affonso Arinos procurava descrever as paisagens, as gentes, as histórias, os costumes e tradições do sertão, encontrando nesse interior a representação da nacionalidade brasileira. Para ele o sertão abrigava as características próprias da nossa nacionalidade, sem imitação ao que seria estrangeiro. A recuperação na literatura das lendas, tradições e histórias sertanejas seria capturar a essência da nossa nacionalidade, livre de qualquer estrangeirismo.

Mas seria pelo seu espírito nacionalista e através do seu gosto pelos arquivos e pela História que Affonso Arinos travaria uma forte amizade com Olavo Bilac. Arinos conheceu Bilac em Ouro Preto quando era professor de História e Geografia do Liceu Mineiro, abrigando o escritor carioca em sua residência, quando este fugia do clima ameaçador da capital federal. Durante a sua estadia em Ouro Preto, Olavo Bilac teve junto à Arinos longos passeios pelos arquivos de Minas Gerais, de onde construiu grande gosto pela História. Arinos não teria influenciado Bilac apenas no gosto pela História, teria o influenciado também, a pensar a nacionalidade brasileira a partir do sertão, e principalmente, a partir da geografia.

Não somente, Bilac era grande admirador do nacionalismo de Arinos, do seu amor à Pátria. Embora escrevessem para públicos distintos e tivessem opiniões políticos divergentes, Arinos e Bilac eram grandes amigos que tinham em comum um interesse pelo Brasil e pela busca de um sentimento patriótico. Enquanto Arinos fazia isso pela literatura de cunho regionalista e publicava em revistas, Bilac também empreenderia essa mesma função em uma literatura voltada para o público infantil.

Assim, a influência de Arinos na obra didática de Olavo Bilac é sentida com maior detalhe no livro Através do Brasil, escrito em parceria com Manoel Bonfim. No livro é contada a história da saga de dois irmãos pelo Brasil, passando por todas as regiões e descobrindo a diversidade cultural e geográfica do país. Assim como Arinos, Bilac e Bonfim dão destaque para a descrição física das regiões, mostrando a fauna e flora local. Nos diz Ricardo Souza de Carvalho que Olavo Bilac pediu à Affonso Arinos, em carta, alguns detalhes de algumas regiões de Minas Gerais, pedindo para que lhe fala-se quais tipos de árvores, de flores, características físicas eram presentes em algumas cidades, como Diamantina. Arinos como exímio conhecedor do sertão mineiro o respondeu dando os detalhes desejados e algumas informações adicionais, falando sobre o uso que a população local fazia de determinadas plantas ou o não uso por superstição.

Dessa forma, Bilac que teria o seu caminho cruzado por Affonso Arinos em Ouro Preto, teria encontrado no escritor mineiro “as palavras da terra para ensinar aos meninos do Brasil”, como nos diz Ricardo Souza de Carvalho. Embora tivessem muitos interesses em comum, Affonso Arinos não empreendeu um projeto que visava à educação, como Bilac, mas foi a cargo de Olavo Bilac que as suas idéias de valorizar o Brasil a partir da História e da Geografia chegaram às crianças.

 

Bibliografia

ARINOS, Affonso. Obra Completa. Rio de Janeiro: INL, 1968.

BILAC, Olavo e BOMFIM, Manoel. Através do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CARVALHO, Ricardo Souza de. Através do Brasil com Affonso Arinos. Revista do ieb, n.46, p. 201-216, fev , 2008.

* Graduanda em História na Universidade Federal de Minas Gerais (E-mail: vanessamartins41@outlook.com)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *