Herança e Esperança de um Brasil Literário – Uma homenagem à Graça Paulino

Militante por uma educação de qualidade para todos, defensora da democratização da literatura e inquestionavelmente uma mulher à frente do seu tempo. A professora e pensadora Graça Paulino, que nos deixou recentemente, deixará um legado indiscutível para a educação e para a literatura no país. 

Letícia Pires

Formada em Letras pela UFMG, mestre em literatura pela mesma instituição e doutora em teoria literária pela UFRJ, a professora Maria das Graças Rodrigues Paulino se tornou uma referência em estudos literários no país. Para além dos títulos, Graça desempenhou uma função importante no desenvolvimento de um papel político da educação, tornando-se defensora de mudanças estruturais para um Brasil mais literário e democrático.

À influências de sua trajetória pessoal, a professora tinha como missão incitar a função social da literatura e, principalmente, formar leitores literários. Esse termo, calcado pela própria, diz respeito à conexão entre a democratização e a apropriação da literatura para si, diz respeito ao letramento como processo e prática. Tão quanto essa ideia se relaciona a outros termos centrais nas produções de Graça: a educação e a leitura literária, entendidos como uma ponte entre a literatura e o ensino. Para Marta Passos, amiga, ex-orientanda de Graça e professora do CEFET-MG, esses termos podem ser entendidos a partir da percepção de que “a leitura pode ser ensinada. É possível ensinar habilidades de leitura literária para que seja possível entender quais estratégias é necessário mobilizar para compreender um texto. A literatura, para Graça, não deveria ser vista como fim único utilitário e pedagógico, mas também estético”.

Em harmonia a seus objetivos e na busca por mudanças nas estruturas sociais e políticas do país, Graça encabeçou e realizou diversos projetos de ensino, pesquisa e extensão. Em destaque, está seu envolvimento com o PNBE – Programa Nacional Biblioteca nas Escolas e o Projeto LIEDE – Literatura para Educadores, cujo principal objetivo era a produção gráfica de obras de autores clássicos brasileiros – que estão em domínio público. Essa ação buscava a facilitação do acesso de professores a esses materiais, desenvolvendo o interesse, fortalecendo a prática de leitura e, principalmente, promovendo um acesso livre à literatura.

Para além, um dos projetos de Graça se apoiava na realização dos eventos “Jogo do Livro”: conferências para a discussão sobre letramento e literatura no Brasil. Neste ano, no XIII encontro, que acontecerá do dia 1º a 4 de Outubro, na FAE/UFMG, cujo tema é “Acervos literários: formação, mediação e pesquisa”, ocorrerá uma homenagem à professora, ressaltando seu legado, definido por Marta como “seus textos, suas aulas, suas práticas, em seus conceitos e sua luta”.

Em memória de uma pesquisadora genial, uma cidadã ativa e a uma mulher forte, lembramos suas inspiradoras, valiosas e atemporais palavras, marcadas na revista Presença Pedagógica (NOV./DEZ. 2011, V7, N.102)

“Transformar o país num país melhor para muitos, para a maioria… Essa é uma das minhas utopias. Eu acredito que talvez cheguemos lá. Num Brasil Literário também. Ainda não temos um Brasil Literário, mas precisamos continuar lutando por ele. […] Considero a literatura como um processo de reumanização, de ressocialização, na linha de Antonio Candido. Se nós considerarmos dessa maneira, a prática de leitura literária pode ser vista como coletiva e não como prática de elite, fechada. Não podemos perder a ideia de que a transformação é possível. Manter vivas as utopias é manter vivo o ser humano.”


Imagem de destaque: Yolanda Assunção


Este texto é fruto de uma parceria do projeto Pensar a Educação, Pensar o Brasil com a diretoria da Faculdade de Educação da UFMG para valorizar a produção de conhecimento da Faculdade, sendo no ensino, na pesquisa ou extensão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *