Ato “Contra O Retrocesso Em Defesa Da Democracia”, Na Cinelândia, Região Central Do Rio De Janeiro, Reúne Milhares De Pessoas.Foto Tânia Rêgo/Agência Brasil

HÁ SAÍDAS!

A minha gente hoje anda
falando de lado
e olhando pro chão.

(Chico Buarque, 1970)

Incentivo à violência contra as mulheres, populações negras, indígenas e LGBTQI+. Legitimação do racismo, da homofobia e do trabalho infantil. Aumento do desemprego, da precarização do trabalho e ataques aos direitos trabalhistas. Destruição do Estado e das políticas públicas. Ataque à educação, às universidades e aos professores. Elogio à ignorância e cultivo ao obscurantismo anti-científico. Submissão aos interesses das empresas transnacionais e subserviência ao governo dos Estados Unidos. Louvação da ditadura, aumento da violência policial e dos ataques aos direitos humanos. Aumento do desmatamento e da degradação do meio ambiente. Com tudo isso, e com muitas outras desgraças, tivemos que conviver nos primeiros sete meses do governo do ignóbil presidente Bolsonaro.

Nunca na nossa história, nem mesmo durante a Ditadura Civil-Militar, tivemos um início de governo tão danoso aos interesses da maioria da população brasileira e tão propositivo de políticas regressivas em relação aos direitos das camadas mais pobres da população. A situação, algumas vezes, é de pasmo diante das crescentes e cotidianas agressões às mais elementares regras de convivência civilizada, política e democrática. Às vezes, parece não haver saída deste pesadelo em que nos meteram. E é nisto que as forças das políticas da morte, representada pelo bolsonarismo, querem nos fazer crer.

MAS, HÁ SAÍDAS! E elas estão na continuidade da ação cotidiana de milhões de brasileiros e de brasileiras que, contrariando os preceitos bolsonaristas, não aceitam que os seres humanos devem cultivar o ódio, o mal, a ignorância, a violência, a mesquinhez, a mentira, a desfaçatez, a falta de solidariedade, a injustiça e a imbecilidade como marcas fundamentais da convivência.

HÁ SAÍDAS! E elas estão na continuidade da ação de milhões de servidores públicos que, nas escolas, nos hospitais, nos órgãos de fiscalização e controle, na polícia e na política, dentre outros, que, espalhados pelos mais de 5500 municípios brasileiros, desafiam todos os dias o bolsonarismo e lutam para garantir que o Estado funcione para garantir os direitos do conjunto da população.

HÁ SAÍDAS! E elas estão na organização e manifestações coletivas dos estudantes, dos trabalhadores, dos Sem Terra e Sem Teto, dos movimentos feministas, negros, indígenas e LGTBTQI+ e nas articulações nacionais de instituições de grande legitimidade e tradição de lutas como a ABI, a SBPC, a CNBB, a OAB e muitas outras que se colocam, hoje, na posição de enfrentamento do bolsonarismo em todas as suas manifestações.

HÁ SAÍDAS! E elas estão no crescente engajamento dos profissionais das artes e da cultura nas ações antibolsonaristas e em defesa dos direitos humanos, da civilidade, do Estado de Direito e da democracia. Nada mais salutar, neste momento, do que as críticas acidas, alegres e corrosivas dos chargistas, dos músicos e demais artistas dirigidas a Bolsonaro e demais milicianos em todo o Brasil.

HÁ SAÍDAS. E elas estão na exposição pública dos ataques perpetrados pelos órgãos da justiça – com o Moro, o Dellagnol e membros do STF à frente – contra as mais elementares regras do Estado de Direito e dos direitos civis e políticos garantidos pela Constituição da República. Mas também, pela contínua exploração e exposição das ignóbeis ações e declarações do próprio Presidente da República e seu ministério contra as mais elementares regras de funcionamento do Estado de Direito e de demonstração de total falta empatia com as dores e sofrimentos dos seus semelhantes.

HÁ SAÍDAS! E estão na preocupação coletiva demonstrada por milhões de brasileiros(as) e estrangeiros com a situação atual do Brasil e com o país que deixaremos de herança para as futuras gerações. E está também nas práticas de cuidados individual e coletivo que vêm sendo demonstradas por um número crescente de pessoas como um antídoto importante contra a desumanização e o adoecimento defendidos como regras das políticas de morte defendidas pelos arautos do bolsonarismo.

SIM, HÁ SAÍDAS! E elas estão sendo articuladas e postas em ação em nosso dia-a-dia, por milhões de pessoas. Para enxergá-las, é preciso que a gente não se deixe cegar pelo ódio bolsonarista e não se deixe adoecer e/ou desanimar com as infindáveis notícias negativas que nos chegam de todos os lados. Para fortalecê-las, é preciso divulgá-las e delas participar. “Um galo sozinho não tece uma manhã”, mas juntos podem anunciar o amanhecer!

Havemos de amanhecer.

O mundo se tinge com as tintas da antemanhã

e o sangue que escorre é doce, de tão necessário

para colorir tuas pálidas faces, aurora.

(Carlos Drummond, 1938)


Imagem de destaque: Tânia Rêgo/Agência Brasil

This Post Has 2 Comments
  1. “Apesar de vc, amanhã há de ser outro dia…”! Fora Bozo! Lula livre!
    Eu pergunto a você onde vai se esconder
    Da enorme euforia?
    Como vai proibir
    Quando o galo insistir em cantar?
    Água nova brotando
    E a gente se amando sem parar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *