Menu

Ano 3 – nº 088 / sexta-feira, 26 de junho de 2015

EDITORIAL

PIBID: o ocaso de um projeto exitoso?

Depois de um longevo e bem sucedido projeto de formação de pessoal para o ensino superior, à CAPES foi delegada, em 2009,  também a missão de articular e operacionalizar políticas e ações para formação de professores para a educação básica. Passados pouco mais de 6 anos, em que pese o indiscutível esvaziamento do Conselho Técnico Científico da Educação Básica (CTC-EB) operado pela gestão anterior e das dificuldades da CAPES em articular-se com as políticas e ações desenvolvidas pelas diversas secretarias do MEC, há uma avaliação positiva quanto a vários dos programas de atuação da CAPES na área da educação básica. Continue lendo.

NAS ONDAS DA EDUCAÇÃO

No dia 29 de junho o programa Pensar a Educação, Pensar o Brasil receberá a professora Mirtes Emilia Pinheiro. Professora de história da rede pública há mais de 20 anos, ela nos conta sobre sua experiência e sobre sua pesquisa na área de Literatura, História e Memória Cultural.

Segunda também tem Reportagem Especial, a agenda da educação com os principais eventos da semana, o professor Marcus Taborda na coluna Educação em Pauta e a seção especial Sons e Literatura no Ar com os professores Marco Scarassatti e Josiley Franscisco.  

Todas as segundas-feiras, das 20h00 às 22h00, o programa Pensar a Educação Pensar o Brasil vai ao ar pela rádio UFMG Educativa 104,5FM.

ENTREVISTAS

Jovens, educação e redução da maioridade penal – Leiziane Parre, Diretora da Casa de Semi liberdade do Planalto e professora Claudia Mayorga – EXCLUSIVO

No dia 22 de junho, o programa Pensar a Educação, Pensar o Brasil conversou com a Diretora da Casa de Semi Liberdade do Planalto, Leiziane Parre e com a Professora da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG e pro-reitora adjunta de Extensão da UFMG, Claudia Mayorga. conversamos sobre o funcionamento do Sistema Socioeducativo e sobre a proposta de redução da maioridade penal.  

Depois de um ano, quase nada do PNE foi cumprido – Coordenador Geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara – EXCLUSIVO

Dentro da programação da Semana de Ação Mundial de 2015, o Coordenador Geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, doutorando da USP e colunista de Educação do portal UOL, Daniel Cara esteve em Belo Horizonte para um encontro na Faculdade de Educação da UFMG. A equipe do Pensar a Educação, Pensar o Brasil fez uma entrevista com ele sobre financiamento da educação, primeiro ano do PNE, a redução da maioridade penal e outras questões.

“O Inep que a sociedade precisa”: entrevista a Ilona Becskeházy

Nesta entrevista, a pesquisadora critica a prioridade que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem ganhado no Inep em detrimento de avaliações como a Prova Brasil. 

CONVITE À LEITURA

Memórias da Escola 4 – Cleide Maria Maciel de Melo – EXCLUSIVO

Só sei que a palavra intelectual “grudou” na minha mente, no meu corpo todo, como uma ventosa: ficava emocionada só de pensar nela. Não sei como a conheci. Não tinha ideia do seu significado: isso parecia não ser essencial, pelo menos nesse primeiro momento. Sentia-me mais importante, porque a trazia comigo.

EDUCAÇÃO EM DEBATE

Plano Nacional de Educação: Primeiro ano – Isaac Roitman – EXCLUSIVO

Será importante o acompanhamento das ações previstas por toda a sociedade brasileira que tem o dever de pressionar de forma constante os responsáveis pela implementação do Plano.

Relações étnico-raciais, educação, escola,sujeitos emancipados – elementos para uma reflexão – Arlene Borges da Cunha – EXCLUSIVO

Na medida em que se constata nas relações sociais de toda ordem explicita ou tacitamente o primado do branqueamento do não idêntico, conduta inexplicável de uma sociedade indiferente a uma crítica objetiva da própria formação, faz-se necessário investir em políticas de reparação, de ações afirmativas, no intuito de combate à privação e violação de direitos.

Os professores e o trabalho de Sísifo – André Luiz Paulilo – EXCLUSIVO

Desde os bancos escolares, passando pela opção pelo magistério, pela formação inicial e pelo início de carreira até aqui, essa geração de professores viveu sob o signo da mudança sem ver sua própria condição social mudar.

O afeto ajuda na aprendizagem ou faz parte dela? – Tiago Tristão Artero –EXCLUSIVO

Imaginar o afeto como algo presente somente na educação infantil, desprezando outras fases de aprendizagem, nada mais é do que a falta de conhecimento no que se refere a esse elemento indispensável no contexto de qualquer aprendizagem (formal ou informal).

Emergência internacional econômica e educacional como processos integrados na história recente da China – Matheus da Cruz e Zica – EXCLUSIVO

Se a emergência internacional da China na economia e na educação faz parte de um processo conectado, não compreenderemos bem esse quadro, entretanto, sem localizá-lo na longa duração da história política do papel do estado para os chineses. Tentaremos abordar essa questão em nosso próximo artigo.

Sobre o PIBID – Carta ao Pensar a Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais – Charles Moreira Cunha – EXCLUSIVO

Assistimos, participamos e contestamos muitas das decisões políticas que resolvem, inadvertidamente, quais setores serão impactados, a Educação, como é público, sofreu um acentuado corte no orçamento de 9,4 bilhões de reais, tal realidade, se não for alterada, certamente resultará em impactos na gestão e manutenção das condições de desenvolvimento do PIBID.

Novo número do Pensar a Educação em Revista: “Educação e História do Ensino Religioso” – Alexandra Lima da Silva e Evelyn de Almeida Orlando – EXCLUSIVO

Está no ar o segundo número do periódico Pensar a Educação em Revista! Esta edição traz uma revisão bibliográfica sobre o tema “Educação e História do Ensino Religioso” como um desafio para pensarmos em questões que estão presentes em nosso cotidiano, diretamente ligadas a nossa cultura, ao modo como nos vemos e nos organizamos socialmente.

Universidade e obscurantismo – Alexandre Fernandes Vaz – EXCLUSIVO

Cada instituição, obviamente, tem o direito à crítica, assim como deve acontecer com qualquer pessoa. Muito diferente, no entanto, é fazer a sociedade e a vida pública reféns do obscurantismo e, ainda por cima, evocando a liberdade de opinião. Além de cinismo, é prática antipolítica.

Um ano de PNE. De PNE-2 – Carlos Henrique Tretel – EXCLUSIVO

Parece-me, pois, que o desafio que se nos apresenta agora, aniversário do PNE em ano de ajuste fiscal,é que as boas práticas de transparência demonstradas pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados e pelas Comissões de Educação  e de Legislação e Redação da Câmara de Vereadores de Toledo.

Um ano de PNE e poucos avanços – Educação em Pauta – Marcus Taborda

Na segunda semana que a coluna Educação em Pauta se dedica ao primeiro ano da aprovação do Plano Nacional de Educação o professor Marcus Taborda e o jornalista Vinicius Luiz conversara sobre a meta que fala da iclusão de diversidades nas escolas.

Leia mais…

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

A Educação no Censo de Grupos de Pesquisa do CNPq: primeiras aproximações – Luciano Mendes de Faria Filho – EXCLUSIVO

No caso da educação, especificamente, o número de pesquisadores inscritos nos Grupos de Pesquisa subiu de pouco mais de 14 mil pesquisadores em 2010 para mais de 22 mil em 2014.  A área de educação confirma, assim, ser a  maior área do sistema nacional de ciência e tecnologia.

Afinal, o mineiro pensa sobre a ciência? – Yolanda Assunção – EXCLUSIVO

Na ultima quarta feira o coordenador da pesquisa, professor Yurij Castelfranchi, apresentou os resultados do levantamento em uma reunião com jornalistas, a diretoria executiva da FAPEMIG, o subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Leonardo Dias de Oliveira, e o presidente do Conselho Curador da FAPEMIG, João Francisco de Abreu.

Carta Pública do GT Gênero, Sexualidade e Educação da ANPEd: sobre a importância da abordagem de Gênero e Sexualidades na Educação – Jornal da Ciência

“Abordar as temáticas de relações de gênero e orientação sexual, no campo educacional é fundamental para a efetivação de uma educação democrática e livre para todas as pessoas”, ressalta documento

Pesquisa inédita no Estado mostra a percepção do mineiro sobre Ciência e Tecnologia – FAPEMIG

Yurij Castelfranchi destacou a importância da enquete para promover políticas públicas de fomento a ações de divulgação científica em Minas Gerais. “Essa pesquisa foi importante para desmitificar alguns preconceitos. 

Leia mais…

EDUCAÇÃO PELO BRASIL

A UFMG no Sisu e a arte de transformar virtude em defeito – Luciano Mendes de Faria Filho – Boletim UFMG

“A meu juízo, é preciso discutir essa operação de transformar uma virtude da UFMG – sua capacidade de atrair candidatos com as melhores notas no Enem – em um defeito – sua elitização…”.

Manifestação da SBPC e da ABC sobre os cortes de verbas do PIBID – SBPC

Se a fragilidade das contas públicas aflige a economia, a fragilidade do sistema educacional provoca danos profundos e de longo prazo, que afetam a sociedade brasileira como um todo, mas especialmente as camadas de menor poder aquisitivo bem como a qualidade dos recursos humanos de toda a cadeia produtiva nacional. 

Leia mais…

AMÉRICA LATINA

Los estudiantes porteños reclaman (Página 12, Argentina)

En la Ciudad de Buenos Aires, son trece las escuelas secundarias tomadas y hoy los estudiantes tratarán en asambleas la realización de movilizaciones para reclamar un programa integral de reformas edilicias y protestar contra los cambios curriculares que evalúa el gobierno porteño. 

Leia mais…

PESQUISA EDUCACIONAL

NOGUEIRA, Eliete Jussara; SOARES, Maria Lúcia de Amorim. Desafios educacionais na modernidade líquida: cotidiano, medo e indisciplina. Revista Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v.12, n.27, p.153-174, 2015.  

Numa sociedade dominada pela presença do medo no cotidiano, com uma escola que enfrenta grave crise de indisciplina, a formação de professores precisa fortalecer a tese do professor como interprete e autor, não mais como dono da verdade, pretensão ainda existente no campo educacional. 

PENSAR INDICA

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, no último dia 16, a Nota Técnica O Adolescente em Conflito com a Lei e o Debate sobre a Redução da Maioridade Penal. A pesquisa, que traz um recorte de quem são esses adolescentes que estão em conflito com a lei cumprindo pena com restrição de liberdade, foi realizada pela Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc). O estudo contribui com as discussões que ocorrem em torno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/1993 – que propõe a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos -, e aponta o mito da impunidade aos adolescentes.

INDICAÇÃO DO LEITOR

Adriene Santanna –  X Simpósio de Formação e Profissão Docente

Participe do nosso boletim enviando sua indicação para o e-mail 

OPINIÃO DO LEITOR

Nima I. Spigolon

Caríssimo(a)s,

Inicialmente envio os cumprimentos à equipe do projeto “Pensar a Educação em pauta” pelo trabalho realizado, que se realiza e a se realizar… ele alinhava dimensões, instituições e sujeitos imersos nas mais variadas realidades e utopias.

Reconheço a relevância do trabalho mobilizado e articulado pelo “Pensar a Educação em Pauta”, e mais ainda, deixo um forte abraço cheio de estímulo e ânimo para seguirem cada vez mais.

Agradecida,

Nima.

Comentários pelo Facebook:

Mônica Maria em 19/06/2015 (EDITORIAL – Edição 087 – 19/06/2015 –Repetência escolar e diminuição da maioridade penal:  quais relações?)

Muito bom , temos que por na luz esta discussão e mostrar a quem serve a reprovação. As Faculdades de Educação precisam refletir a relação de seus professores com a reprovação em relação ao seus alunos de licenciatura e a concepção que estes vão defender como professores futuramente. Este foi um dos grandes enfrentamento que tivemos na implantação da Escola Plural em Belo Horizonte, que defendo como tendo sido a maior mudança educacional em defesa do direito de aprender que tive o prazer de participar como professora. Ver que é possível mudar comportamentos, que o trabalho coletivo consegue avanços nas relações no interior da escola e como consequência melhoram as relações de ensino – aprendizagem. Pena que os prefeitos posteriores e as secretárias de educação não deram continuidade ao projeto, para concretizar e avançar como política educacional. A eterna discussão aprovação automática ou reprovação, nem deveria mais ser pautada mas para muitos governos um ou outro interessa porque o direito de aprender exigiria que a educação fosse prioridade , com financiamento necessário para que o espaço escolar fosse de fato transformado, respeitando os tempos e as idades dos alunos, as múltiplas culturas que estão no interior e no exterior dos muros da escola.

Precisamos manter o tema na pauta sempre. Quem sabe vamos transformando mentes e mudando a escola para melhor. 

Alessandra Belo em 19/06/2015 (EDUCAÇÃO EM DEBATE – Edição 087 – 19/06/2015 – A falência do sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB): dilemas e (su)postos novos lemas para aEaD pública brasileira/Eucídio Pimenta Arruda)

É muito triste ler esse texto. Sou aluna e apaixonada pela EaD mas vejo mesmo que já foi implementada de forma sucateada, com professores com contrato provisório, que nem são intitulados “professores”, mas “tutores”. 

A EaD é, sem dúvida, uma bela iniciativa para a democratização do acesso ao Ensino Superior de qualidade mas o Brasil precisa aprender que Educação custa dinheiro, pagando bem os docentes que devem sim, ser concursados, com plano de carreira, além das outras medidas citadas no texto.

Participe do nosso boletim enviando sua opinião ou comentário para o e-mail 

TIRINHA

CAPB – Centro Acadêmico Pereira Barretto

ERRAMOS

A versão do Editorial do Pensar a Educação em Pauta n. 87 que foi  publicada inicialmente em nossa página não era a versão final e, por isso, continha inúmeros problemas de redação. Pedimos desculpas aos nossos leitores e estamos tomando providências para evitar futuros problemas como este.

É permitida a reprodução dos textos exclusivos, desde que seja citada a fonte.

O conteúdo dos textos publicados pelo Pensar a Educação em Pauta é de inteira responsabilidade de seus respectivos autores e não expressa necessariamente as opiniões de seus editores.

Projeto Pensar a Educação, Pensar o Brasil 1822/2022

Coordenação Geral – Luciano Mendes de Faria Filho e Tarcísio Mauro Vago

Pensar a Educação em Pauta
Coordenação Geral – Priscilla Bahiense e Luciano Mendes
Coordenação de Pesquisa e Diagramação: Sandra Ribas

Av. Antônio Carlos, 6627 – Belo Horizonte – MG – CEP: 31270-901
E-mail:  – Telefone: (31) 3409-5313

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *