Menu

Ano 2 – nº 037 / sexta-feira, 07 de março de 2014

Fique atento às atrações do programa de rádio “Pensar a Educação, Pensar o Brasil” do dia 10 de março de 2014

Todas as segundas-feiras, das 20h00 as 22h00, o programa Pensar a Educação Pensar o Brasil vai ao ar pela rádio UFMG Educativa 104,5 FM. No próximo dia 10 de março, daremos inicio a uma série dedicada à memórias dos 50 anos do Golpe de 64. Para o primeiro programa da série convidamos o professor Marcus Taborda. Como sessão especial teremos Educação e Mídias, além da agenda educativa, sorteio de livros e muito mais! Você pode ouvir pela internet acessando AQUI.

Rádio UFMG Educativa faz série para relembrar os 50 anos do Golpe Militar no Brasil

Serão, ao todo, 50 programas que começam a ser veiculados no dia 10 de fevereiro e vão até 31 de março de 2014, data em que completam 50 anos do Golpe. Na página do projeto você poderá acompanhar todo o processo de produção, ouvir os cinquenta programas e ter acesso a material extra, como vídeos e imagens produzidas e recolhidas pela equipe. Acesse:www.50anosdogolpe.tumblr.com

CNE vai discutir resolução que fixa idades para pré-escola e ensino fundamental – Jornal do Brasil

Pelo menos dez estados e o Distrito Federal conseguiram, na Justiça, suspender resolução de 2010, do Conselho Nacional de Educação (CNE), que estabelece idade para ingresso das crianças na pré-escola e no ensino fundamental. Após as decisões judiciais, o CNE decidiu discutir a determinação, e marcou uma reunião para o dia 12 março, quando poderá fazer alterações no texto.

MEC muda algumas regras do ProUni e do Fies – Agência Brasil

O Ministério da Educação (MEC) mudou este ano algumas regras do Programa Universidade para Todos (ProUni) e do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). No Fies, o contrato passa a ser casado ao Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (Fgeduc), antes opcional. No ProUni, a isenção fiscal passa a ser feita com base nas vagas preenchidas e não mais nas vagas ofertadas, como era até o fim do ano passado.

Na metade da vida, Ciência sem Fronteiras é criticado por má gestão – Portal DW

Adiamento de viagens, flexibilização de proficiência em língua estrangeira e financiamento falho colocam em xeque sucesso do programa do governo federal. Especialista defende mudança de perfil do estudante beneficiado.Ensino médio aumenta atendimento, mas tem o desafio de melhorar a qualidade – Jornal da CiênciaEm 20 anos o número de jovens matriculados no ensino médio aumentou 120%. Agora, o País tem o desafio de garantir uma educação atrativa e de qualidade, evitando a evasão e recuperando os alunos que, apesar da idade, ainda não concluíram o ensino fundamental.

A educação ou a Petrobrás? – Jornal O Estado de São Paulo

O Brasil é o único país do mundo que tributa um combustível limpo e desonera um combustível fóssil e poluente (e também não vi ninguém pedindo “veta gasolina”). Mas não para aí, pois, enquanto livra a gasolina da Cide, neste retorno às aulas os pais estão pagando em média de impostos mais de 47% nas canetas e mais de 43% nas borrachas de seus filhos. Educação é prioridade?

Recursos obtidos com pré-sal serão aplicados na educação, reafirma Dilma – Jornal da Ciência

A presidenta Dilma Rousseff reafirmou ontem (27), durante a cerimônia de formatura de 3.800 alunos do Programa Nacional de Acesso ao ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que os recursos obtidos com a exploração do petróleo da camada pré-sal serão aplicados na melhoria da educação, sendo 75% dos royalties e 50% do óleo destinados a esse fim.

A educação e a Copa – Jornal Zero Hora

Robótica, Mídias Escolares, Jogos Escolares, Escola Aberta, Olimpíadas de Filosofia, Astronomia, Português e Matemática, Baú de Histórias, Adote um Escritor, Fronteiras da Educação, Cidade Escola, Colônias de Férias, Alimentação Saudável, Músicas e Danças e Vou à Escola. Todos são projetos e ações que buscam dar conta da complexidade social com a qual a educação dialoga.

Os novos paradigmas na gestão escolar do ensino público no Brasil: reforma do Estado, Governabilidade e Democracia? – Revista Gestão Universitária

Com a alteração substancial no panorama mundial nos últimos anos, surge a afirmação de que o mercado, com uma intervenção mínima, tudo pode fazer para minorar até os desajustes sociais graves, que o Brasil enfrenta como país emergente no mercado internacionalizado. Contudo, não se pode eximir do país um dever imenso: reduzir as desigualdades sociais tão marcadas no decorrer da história sócio-política e econômica do Brasil.

Professor necessita saber o que pede de seus alunos – Tribuna do Norte

A tese “Escrever e Avaliar textos argumentativos: saberes docentes em ação”, é resultado de pesquisa qualitativa feita junto à professores do ensino médio. Aos professores foi pedido que realizassem a mesma produção escrita, no caso, artigo de opinião, que solicitaram a seus estudantes. O trabalho de pesquisa investigou a avaliação feita pelos professores das produções escritas dos estudantes. Analisou também as produções escritas sobre o mesmo assunto feitas pelos professores. O resultado, que foi mostrado na defesa da tese, revela a importância do professor ter a capacidade de realizar aquilo que solicita aos seus alunos.

Diferenças que começam na base – Tribuna do Planalto

Pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que comparou informações referentes à frequência escolar e infraestrutura de escolas pú­blicas e privadas, aponta uma de­sigualdade no acesso e na estrutura da E­ducação Infantil (crianças de 0 a 5 anos). Segundo a “Síntese de Indicadores Sociais – Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira – 2013”, os anos iniciais da criança são cruciais para o desenvolvimento cognitivo.

‘Ensino híbrido é o único jeito de transformar a educação’ – Portal Porvir

Na primeira vez que o Porvir falou de ensino híbrido, lá pelos idos de 2012, não sabíamos nem como chamar essa tendência. Foi no site de uma organização chamada Innosight Institute que as coisas ficaram mais claras. O tal blended learning, que estava pipocando aqui e ali, se referia à mescla do ensino presencial com o virtual, dentro e fora da escola. Com essa integração de oportunidades de aprendizagem que a tecnologia proporcionou, os alunos passariam a ver mais sentido no conteúdo que lhes era apresentado, teriam acesso a um aprendizado mais personalizado às suas necessidades, seriam estimulados a pensar criticamente, a trabalhar em grupo.

Graduações durante a madrugada ganham espaço no mercado – Jornal O Estado de São Paulo

O dia de Tatiane Ferreira, de 29 anos, (foto) começa cedo. Às 4h20, ela acorda e meia hora depois sai de casa. Às 5h30, enquanto a maioria das pessoas ainda dorme, ela já está sentada em sua carteira na UniÍtalo, em São Paulo, onde cursa o último ano da faculdade de Marketing. Depois, aí sim como a maioria das pessoas, ela trabalha, das 9 às 18 horas. Na volta para casa, cuida do filho de 12 anos e só vai dormir por volta da meia-noite.

Maioria de analfabetos está no Nordeste – Tribuna da Bahia

As políticas educacionais mais recentes conseguiram diminuir a quantidade de analfabetos no Brasil, mas não evitaram que mais jovens saíssem da escola sem saber ler ou escrever. Os números do analfabetismo no País mostram que 16,7% dos 13,4 milhões de analfabetos brasileiros têm entre 20 e 40 anos. Eles representam 2,2 milhões de pessoas que, junto com outro meio milhão de crianças e adolescentes de 10 a 19 anos, não estão alfabetizadas.

Educadores: militarização de colégios reflete falência do sistema educacional – Portal Terra

Para estudantes de dez colégios públicos de Goiás, a antecipação das aulas por causa da Copa do Mundo não é a única mudança no ano letivo de 2014. As dez escolas da rede estadual, por meio de parceria entre a Secretaria de Educação e a Secretaria de Segurança Pública (SSP), passaram a ser administradas pela Polícia Militar do Estado – e agora são colégios militares. Enquanto a SSP aponta a medida como um pedido da comunidade, educadores a encaram como um reflexo da falência do sistema educacional. A situação já gerou reclamações dos pais sobre taxas cobradas e até ação do Ministério Público.

– RESENHA DA SEMANA –

Livro: Cartografias da Infração Juvenil, de Fernanda Bocco

Resenhista: Alice Cristhófaro

– PESQUISA EDUCACIONAL EM PAUTA –

Matemática: um desafio internacional para estudantes surdos – Karen L. Kritzer; Claudia M. Pagliaro

Há estudos que indicam que a vasta maioria de estudantes surdos tem desempenho significativamente abaixo da media de sua série e de seus pares ouvintes em matemática. Essa defasagem tem sido encontrada em diferentes países e em diferentes conceitos e áreas matemáticas, incluindo o conceito de número, cálculo, resolução de problemas e raciocínio. Além disso, há pesquisas que indicam que esta defasagem começa cedo, antes mesmo do início da escolaridade formal e amplia-se com o passar do tempo.

Projeto Pensar a Educação, Pensar o Brasil 1822/2022

www.pensaraeducacao.com.br

www.facebook.com/pensaraeducacaopensarobrasil

twitter.com/pensareducacao

EQUIPE:

Coordenação: Luciano Mendes

Conteúdo e Produção: Isabella Brandão

Site: Sandra Ribas

Divulgação: Hercules Santos e Marcella Franca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *