Brumas Pedagógicas – parte I

– pedaços de histórias descontadas –

Ivane Laurete Perotti

 

_ Profe! Conta uma história?

_ …

_ Pró!? Conta!

_ Vai… só hoje! Vai!

_ Por favor! Conta!

_ Isso! Conta!

_ Certo! Conto uma história, desde que seja baseada em fatos reais.

_ Ah! Não!

_ Nem!

_ Di rocha, psora! Conta uma história que não seja de verdade. A gente qué discansá da vida. Conta!

_ De verdade, vocês conhecem mais histórias do que eu. Alguém poderia contar alguma. Hum?

_ Não! As que nós conhecemos estão proibidas, esqueceu? Dãã!

_…

_ Fale isso de novo e eu vô filmá você, professora. Não pode! Esqueceu?

_ …

_ Inventa uma história! Inventa…

_ É! Inventa aí, mas não pode ter lobos, coelhos, rainhas más, princesas boazinhas e homens bobos.

_ É o contrário, sua besta!

_ Profe… ela me chamou de besta! Sou um menino! Besta é ela. É ela!

_ Basta! Devo retomar o estudo sobre a flexão dos… em gênero e número nos…

_ Nos? Nos? Fala aí, pró… vamo vê se você é peituda!

_ Estou retomando o estudo dos substantivos, vamos para a página…

_ E não é que ela é? Acabou de convidar a gente para ir junto.

_ Vambora filmá!

_ Fala de novo, professora. Fala aí!

_ Bom, parece-me que…

_ Ela não tem certeza! Cumé qui podi? Diz aí, pró!

_ Atenção, sexto ano! Atenção ao conteúdo!

_ Qui conteúdo?

_ Vocês pediram para eu contar uma história… estamos estudando os substantivos!

_ Ah! Tá suavi! Vai lá, pró!

_ Eu…

_ Esse negócio de subis.. subistan… tá meio esquisito. Melhó voltá logo para a história.

_ Sexto ano! Como posso “voltar” se ainda não “fui”? Olhem só…

_ Ih! Pirô!

_ Ó profe! Se acalme-se consigo mesma… respira fundo e…

_ Não dá ideia, mano! Vai que ela…

_ Vamos retornar ao texto!

_ Texto?

_ Nós não viu o texto, pró!

_ Vocês não querem uma história? Irei contar. É uma história criada por mim e tem muitos substantivos concretos como exemplo.

_ Hum! Isso não tá cherano bem!

_ Liga a câmera, liga…

_ A história começa em um lugar muito agradável. Bonito, para dizer a verdade. Montanhas não muito altas podem ser vistas de longe; plantas de vários tipos, flores vistosas e pessoas felizes. Os moradores desse lugar podem escolher o que desejam ser e não há impedimentos para a sua formação. As crianças brincam em frente às casas em plena segurança. Os moradores mais antigos dizem que o lugar é o resultado de muitos anos de dedicação e políticas de incentivo ao…

_ Pode pará aí mesmo, fessora!

_ … eu só estou começando! É uma história ficcional e…

_ Que não é de verdade a gente já entendeu. Agora, colocá política no meio da história?

_ Não, vocês não entenderam. Deixem-me avançar.

_ Nunca! Aqui é uma iscola!

_ Por isso mesmo!

_ Ó profe! Di boa, tá na hora de você se atualizá, né!?

_ …


Imagem de destaque: Dmitry Ratushny / Unsplash

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *