Menu
A Gente Se Escreve Priscila Paula Ivane Perotti

A gente se escreve

talhos de uma escrita 

Ivane Laurete Perott

“A existência, porque humana, não pode ser muda, silenciosa, nem tampouco pode nutrir-se de falsas palavras, mas de palavras verdadeiras, com que os homens transformam o mundo.” Paulo Freire

 

No marco da porta, o entalhe de uma escrita anônima tornara-se invisível. Seria mais um ato de vandalismo – segundo as leis de proteção ao patrimônio público – não fosse a insistência de um aluno do terceiro ano, fundamental I. À altura de seus cabelos crescentes, a palavra tocava-lhe a coroa crespa. Os talhos profundos atraíam-no. Visitava a cicatriz na porta da sala de aula com dedos clínicos: o /n/ parecia-lhe um navio que era diariamente engolido por águas assustadoras; o /e/ lembrava-lhe uma bola esfarrapada, serrada ao meio, durante um jogo sem fim; o /g/ confundia-lhe: imagens animadas por detrás do entalhe provocavam-lhe calafrios. Acreditava enxergar grandes girafas e seus pescoços descomunais, com manchas ainda maiores que não sabia se iam do amarelo para o marrom ou do marrom para o amarelo. As girafas não estavam sozinhas. Outros animais dependuravam-se na única perna torta da letra /g/. Desconhecia-lhes o nome. E havia sons: sons com cheiro de lugar que a gente não conhece e, ainda assim, sente medo ou saudade de estar lá. Essa mistura de sensações atravessava-lhe a pele, e por muitas vezes, desejara chorar por motivos ausentes.

Contudo, era na letra /r/ que ele mais se fixava. As mãos acariciavam o traçado como se dele pudessem extrair o intocável. O narigão pendente do /r/ espichava-se criando braços, muitos braços, quase alcançando o único pé da letra. O /r/ tinha um corpo que se espichava sozinho e depois descia como um triste ponto de interrogação diante do espelho. Queria quebrar o espelho. Endireitar o /r/: era um erro!

As linhas do /r/ derretiam-se na madeira da porta e diziam coisas inauditas. O pequeno estudante temia ser engolido por elas. Seus dedos ficavam presos às ranhuras que sempre e sempre demoravam para soltá-los sobre o /o/. Era um tranco! Do /r/ para o /o/. Não gostava daquela letra. Parecia-lhe tão fechada, tão certeira como se um alvo estivesse à mira do desconhecido. Desconfiava dela. Também pensava que a palavra não deveria terminar ali, como um caroço vazio, esquecido no tempo da porta. Não poderia ser o fim. Nem poderia ser o começo. Queria saber quem a escrevera. Como a escrevera ali, tão grande e profunda. E o que a pessoa queria dizer? Só uma palavra.

A palavra escrita à ponta de um objeto qualquer atingia-lhe os olhos, o peito, a memória em construção.

_ Fulano… vamos entrar?

O professor aguardava para começar a aula.

_ Professor? Posso sair?

_ Você nem entrou… precisa de alguma coisa?

_ Não sei. Eu preciso… preciso escrever aquela palavra ali.

A palavra saiu, por alguns instantes, da porta para o quadro da sala. Do quadro para os cadernos. Dos cadernos para as conversas. Das conversas para várias histórias.

Por uma aula, o professor guardou o planejamento do dia. Capacitado pelas resistências da vida e sensível às demandas do aluno, construiu no coletivo uma aula de identidades:

_ A gente se escreve quando escreve.

_ Só quando escreve, professor?

A escrita foi o pretexto. A palavra era a ordem: madeira entalhada pela vida sentida e não sentida, atravessada por cargas e descargas de tensões, memórias e construções. A língua, madeira verde, abriu-se floresta de sequoias: professor e alunos instalaram-se para existir. Existir, humanamente, é pronunciar o mundo, é modificá-lo. O mundo pronunciado, por sua vez, se volta problematizado aos sujeitos pronunciantes, a exigir deles novo pronunciar. (FREIRE, 1985, p.92).

No marco da porta da sala de aula, os talhos da anônima escrita reverberaram em diálogos: uma das resultantes da alfabetização social.

_ Profe… a gente pode se escrever de novo?

E lá ia o professor levando trabalho para casa. No trânsito de sua inscrição professoral, escrevia-se o homem em pulsante devir. Professor e alunos saíam do anonimato pelo mundo dos letramentos: obra das linguagens com entalhes devidamente registrados.

REFERÊNCIAS

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 14ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985, p. 92.


Imagem de destaque: Priscila Paula

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *