Menu
Porteira Vermelha – Cícero R. C. Omena

A escola da fronteira

Aleluia Heringer

Marina tem 07 anos e mora em uma área rural. Naquela manhã acordou animada. Aprontou-se, colocou o laço de fita no cabelo e aguardou o momento da primeira live. Não via a hora de rever a professora. Quando aproximava o tão esperado momento, começou a ficar aflita, pois não conseguia entrar na sala virtual. Sua mãe, vendo a situação, ligou para a escola, querendo entender o problema. Foi instruída a procurar um local onde o sinal da internet fosse melhor, no que a mãe disse: “é lá na porteira!” Lá se foi Marina correndo, enquanto sua mãe carregava a mesinha, cadernos, cadeira. Mesmo um pouco atrasada, conseguiu acompanhar a aula. Recebemos sua foto, sentada à mesinha, o que a fez ser conhecida por nós, carinhosamente, como a menina da porteira.

Essa história é real e emblemática. Simboliza aquilo que escolas, estudantes e famílias estão vivendo desde o dia 18 de março de 2020. Se a porteira representa o limite que separa uma propriedade da outra, a escola da fronteira representa todo o tensionamento que o momento lhe impôs.

Escola básica foi construída em cima da presença. A sociabilidade é o meio pelo qual a aprendizagem acontece. É preciso o outro para nos constituirmos como sujeitos. Transpor essa realidade para o mundo virtual é uma operação de alta complexidade e que não se resolve “dando cliques”. Por outro lado, é o que temos de melhor diante daquilo que estamos vivendo. A generosidade, sensibilidade e compreensão dos limites impostos, nos salvará do desgaste e tensionamento entre escola, família e estudantes.

Cada um está em casa ao seu modo, com e sem condições físicas, tecnológicas e humanas. Não existem solução ou respostas que atenderão de maneira satisfatória a mesma comunidade. Temos crianças que precisam ir para a porteira; professoras com filhos pequenos que gravam suas aulas já tarde da noite; pais da área da saúde que não podem acompanhar seus filhos; para não dizer daqueles que nem escola e casa têm. Precisamos reconhecer e valorizar a forma honesta e possível como as pessoas estão tentando dar conta da situação.

Querer manter o grau de exigência com todos os envolvidos e com os processos que executam, como se houvesse normalidade e culpados, além de ser ingênuo é injusto. É recomendável que, em tempos de escassez e crise, a energia e a inteligência coletiva sejam canalizadas para aquilo que é relevante e altamente prioritário e, no caso da escola, que beneficie, principalmente, as crianças e jovens estudantes. O discernimento daquilo que é secundário será decisivo para nossa sobrevivência. A escola e a menina da porteira são excepcionalidades. Sossegai! Não ficaremos para sempre na fronteira.


Imagem de destaque: Cícero R. C. Omena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *