A bravura dos Ipês:

Em Defesa da Amazônia

Eugênio Magno

Belo Horizonte, Minas Gerais. Corre o ano de 2019. Era Agosto, 25. Manhã de domingo de céu azul e sol a pino. A semana que passou foi de densas nuvens de tristeza, escuridão e chuva negra – tóxica – em São Paulo (capital), a maior cidade da América Latina. Tem havido comoção mundial pela acelerada devastação, autorizada, do grande pulmão do planeta. Protestos e atos em defesa da nossa Amazônia bradaram pelos quatro cantos do mundo, desde o dia 19 de agosto, a segunda-feira cinzenta, em que a Amazônia sangrou chamas ardentes e espraiou fuligem pela atmosfera tropical.

Os dias 23 e 24 de agosto foram marcados por manifestações e destaques da grande mídia e redes sociais, nacionais e internacionais, dando conta da gravidade dessa crescente e ameaçadora degradação do ambiente. Em várias localidades aconteceram atos em favor da Amazônia no dia 25. Assim foi na capital mineira. Aqui a manifestação ocorreu na Praça Israel Pinheiro – apelidada de Praça do Papa, desde a primeira vinda de João Paulo II a BH –, onde Karol Wojtyla celebrou missa campal. No dia 25 de agosto deste ano, muitos dos que ali compareceram, atendiam ao apelo do atual Papa Francisco. Residindo na zona rural de cidade próxima a Belo Horizonte, fiz um deslocamento de 43 km e me somei aos que lá compareceram para registrar o ato e engajar de forma integral, corpórea, nessa luta pela preservação e pelo cuidado da nossa casa comum. Atendi com naturalidade e prontidão ao pedido dos movimentos que convocaram o ato, às denúncias de ambientalistas de todas as partes do globo e aos constantes apelos do Papa Francisco que, incansavelmente, convoca-nos  todos para defender a vida do/no planeta, a nossa vida e o direito à vida para as gerações vindouras.

O pontífice (Jorge Mario Bergoglio), cujo onomástico, Francisco – o mesmo do santo de Assis que, no início do século XIII, em seu Cântico do Irmão Sol, tratava esta nossa casa comum como “nossa irmã Terra Mãe” –, dedicou a Carta Apostólica Laudato Si (louvado sejas) à salvaguarda do meio ambiente, questão que segundo o Papa não pode estar separada da justiça em relação aos pobres, nem da solução dos problemas estruturais da economia mundial. Vale lembrar, inclusive, que estamos às vésperas do Sínodo da Amazônia. No período de 6 a 27 de outubro deste ano, o Vaticano vai reunir os bispos latino-americanos para refletir sobre o tema Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral. Este encontro sinodal é uma resposta do papa Francisco à realidade da Pan-Amazônia e tem por objetivos: conhecer, reconhecer, conviver e defender os saberes, os povos nativos, moradores da região e todo o bioma amazônico, na perspectiva de encontrar soluções pastorais que tenham aplicação universal.

É revoltante constatarmos que o alto escalão do Governo brasileiro insista em remar contra a correnteza e trate a questão amazônica com tamanha desfaçatez, enquanto cidadãos do mundo inteiro levantam a voz em favor da Amazônia. Até a Disney comove marmanjos e crianças, nas matinês, com The Lion king que, encarnado em Simba, defende a preservação da vida e a sustentabilidade do planeta, como sujeito mistagógico. O filme é pedagógico e, sem necessidade de grande esforço intelectual, até o mais néscio pode compreender sua mensagem.

Sensibilizado com tantos apelos, do Papa ao Rei Leão, o que mais me tocou foi estar unido, num clima pacífico – em que não faltaram palavras de ordem, cartazes, faixas e intervenções –, a cerca de duas mil pessoas que compareceram a Praça do Papa, localizada no bairro das Mangabeiras, em Belo Horizonte, para participar do Ato em defesa da Amazônia. Biólogos, parlamentares, educadores, sindicalistas, estudantes, líderes de movimentos sociais e representantes de partidos políticos, fizeram uso da palavra para denunciar os vários crimes ambientais cometidos pela ganância desapiedada do capital (as tragédias de Mariana e Brumadinho foram lembradas com tristeza) e tantos outros tipos de abusos praticados contra a natureza.

E pensar que essa foi apenas uma das muitas manifestações que vêm ocorrendo em várias cidades brasileiras e em outras tantas pelo mundo afora… Mas ali eu estava, junto a centenas de homens, mulheres, crianças, famílias, cadeirantes, uma grande diversidade de pessoas de todas as idades e de variadas classes, etnias e raças.

Do alto da Praça do Papa, na base da carcomida Serra do Curral, explorada pela mineração, me dei conta dos Ipês que, bravamente, resistem e em agosto derramam suas flores roxas, brancas, rosas e amarelas em nosso horizonte que já foi bem mais belo. Agora, que entrou setembro, a boa nova anda nos campos e já começa a produzir seus aromas e cores e, junto à passarada, ensaiam um novo canto para saudar mais uma primavera.


Imagem de destaque: Tabebuia chrysotricha/Eugênio Magno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *