20/11/2017- São Paulo- 14ª Marcha Da Conciência Negra De São Paulo. Contra Racismo E O Genocídio: Por Um Projeto Político De Vida Para O Povo Negro. 
Foto: Paulo Pinto

Resistência democrática e educação

No dia 29 de agosto, a professora Nilma Lino Gomes realiza a conferência Movimento Negro, resistência democrática e educação”

O Projeto Pensar a Educação, Pensar o Brasil retoma as atividades do XIII Seminário Anual “Educação no Brasil, tradições democráticas“ no dia 29 de agosto. A primeira conferência do semestre será com a professora da Universidade Federal de Minas Gerais, Nilma Lino Gomes, que discutirá sobre a trajetória do Movimento Negro na construção da resistência democrática na educação. A professora questiona se a tradição da educação no que se refere a pauta antirracista tem sido, de fato, democrática ou de silenciamento e negação.

Pedagoga, mestra em Educação, doutora em Antropologia Social e pós-doutora em Sociologia, Nilma Lino Gomes é Professora Titular da Faculdade de Educação da UFMG e Integra o corpo docente da Pós-graduação em Educação Conhecimento e Inclusão Social, na instituição. Foi Coordenadora Geral do Programa de Ensino, Pesquisa e Extensão Ações Afirmativas da UFMG, de 2002 a 2013 e, atualmente, compõe a equipe de pesquisadores desse Programa. Já integrou a Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação e foi reitora Pró-Tempore da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, a UNILAB. Também já foi Ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos, no governo da presidenta Dilma Rousseff.

A Conferência “Movimento Negro, resistência democrática e educação” será no dia 29 de agosto, às 19h no Auditório Neidson Rodrigues, na Faculdade de Educação da UFMG. Antes da conferência, às 17h, a professora Nilma Lino Gomes lançará o seu novo livro ”O Movimento Negro Emancipador: saberes construídos nas lutas por emancipação Vozes” e a 3ª edição do seu livro “Sem Perder a Raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra”. Na ocasião outros livros serão lançados. “Trabalho, renda e diversidade – Debates contemporâneos nas universidades” do projeto Pensar a Educação, Pensar o Brasil; “História da Educação em Minas Gerais: da Colônia à República”, organizado por Carlos Henrique Carvalho e Luciano Mendes de Faria Filho; “Historiografia da Educação: Abordagens, Teóricas e Metodológicas” de Cynthia Greive Veiga e Marcus Aurelio Taborda de Oliveira; e “Escolas de Primeiras Letras: Civilidade, Fiscalização e Conflito nas Minas Gerais do Século XIX” de Fabiana da Silva Viana,  lançarão o livro. Os lançamentos serão no saguão da FaE.

O debate terá transmissão ao vivo pelo canal do Projeto Pensar a Educação Pensar o Brasil no YouTube. Para mais informações entre em contato pelo email pensar@ufmg.br e pelos telefones (31)3409-5355 e (31) 98212-5621

 


Imagem de destaque: 14ª Marcha da Consciência Negra de São Paulo. Contra racismo e o genocídio: Por um projeto político de vida para o povo negro. Foto: Paulo Pinto