Seminário de 2009:

“Relações étnico-raciais e Educação no Brasil”

 

“Relações Étnico/Raciais nas Políticas Educacionais”
Profª. Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva (UFSCAR)
26/03/2009
A implantação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana traz consigo uma série de exigências éticas, epistemológicas e pedagógicas. A obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana levanta questões sobre homens e mulheres vêm aprendendo e ensinando a exercer cidadania.

“Aspectos Históricos da Educação dos Negros no Brasil”
Profª. Nilma Lino Gomes (UFMG)
30/04/2009
Desde 2003, em virtude da Lei nº 10.639, cursos de pedagogia e licenciatura, as secretarias municipais e estaduais de educação, assim como o próprio Ministério da Educação são responsáveis pela realização de políticas e práticas voltadas para a formação de professores na perspectiva da diversidade étnico-racial. Contudo a discussão sobre a diversidade étnico-racial ainda não ocupa o lugar ideal no debate: a formação continuada de professores.

 

“Educação e Diversidade Étnico-Racial no Brasil”
Profª. Ana Maria Rabelo Gomes (UFMG)
28/05/2009
Ao lado dos professores indigenas Francisco Xacriabá, Canati Pataxó, Itamar Krenak e Glaison Caxixó, a professora Ana Maria Rabelo Gomes apresentou experiências em torno da educação em comunidades indígenas. A partir da UFMG Indígena, planos de cursos e atividades que aproximam a cultura indigena da universidade. A contribuição dos saberes indigenas ajudam a pensar e aprofundar a ideia de quem somos como humanos e a humanidade como um todo.

 

“As Relações Étnico/Raciais e as Novas Demandas para o Campo Educacional”
Prof. Luiz Alberto de Oliveira Gonçalves (UFMG)
25/06/2009
Nas primeiras décadas do século XX diversos movimentos negros surgiram no cenário social Brasileiro. Através de vários estudos o professor Luiz Alberto discute a importância das instituições religiosas de educação para negros na preparação para que uma população recém liberta se tornasse tão rápido lideranças sócias urbanas.

 

“A Educação dos Imigrantes no Brasil”
Prof. Lúcio Kreutz (Universidade de Caxias do Sul)
03/09/2009
A diversidade cultual nunca foi uma prioridade, em nenhum momento, em nenhum lugar. Pelo contrário, as culturas costumam se organizar de forma uniformizada e tendem a afirmar-se hegemonicamente sobre as outras. Os vários grupos que formaram a população brasileira se organizaram assim. Neste trabalha o professor Lucio busca entender a formação de escolas de imigrantes, principalmente a formação do Estado Nacional.

 

“Aspectos Históricos da Educação dos Negros no Brasil”
Prof. Marcus Vinícius Fonseca ( UFOP) 
24/09/2009
O grande número de negros na população brasileira é uma característica marcante desde a colonização graças à introdução de trabalhadores escravizados vindos da África. A influência dos negros na construção da identidade social e cultural brasileira sempre foi uma preocupação da administração brasileira. Desde a colônia a educação de negros livres é um mecanismo de controlar esta influência. Neste caso o professor foca nas práticas educativas que envolviam a população negra no estado de Minas Gerais durante o século XIX.

 

“Educação e Diversidade Étnico-Racial no Brasil”
Prof. Miguel Gonzáles Arroyo (UFMG)
29/10/2009
O professor Arroyo indaga a necessidade de se pensar a Edução a partir da diversidade. Ele questiona como e quando os movimentos e grupos etnico-raciais interpelam os projetos de educação, a história, o sistema e políticas educacionais e o próprio Brasil. Ele destaca como a teoria pedagógica tem se portado diante dos coletivod diversos de etnia e raça.

 

“Educação e Pensamento Indígena no Brasil”
Prof. Ruben Caixeta de Queiroz (UFMG)
26/11/2009
A relação estabelecida entre a “cultura do branco” e a cultura indígena através da escolarização é muito delicada. Pode-se observar a escola, mesmo as bilíngues e diferenciadas, como um cabal da cultura não indígena para a vida dos índios e também uma forma de esquecimentos dos conhecimentos tradicionais dos índios. O professor Rubem propõe uma discursão de como estabelecer esta relação com uma troca entre o mundo branco e o mundo indígena.