II Seminário Anual Pensar a Educação, Pensar o Brasil

– 2008 –

“As reformas da escola pública no Brasil”

“As Retóricas das Reformas”
Prof. Luciano Mendes de Faria Filho (FaE/UFMG)
27/03/2008
Para falar sobre as reformas educacionais no Brasil é preciso observar o discurso em torno destas reformas, a retórica utilizada. Entende-se aqui como retórica como a argumentação utilizada no convite a aderir um ponto de vista. Como estes argumentos se estruturaram, os efeitos, a adesão e a refutação dos discursos norteia a primeira conferência do seminário que busca discutir as reformas educacionais no Brasil.

 

“Reformas da Escola/Reformas do Brasil”
Prof. Marcos Cezar de Freitas (UNIFESP)
24/04/2008
Dois pontos se destacam nas discursões sobre as reformas educacionais: A história e a religião. Conectados ou não, estes temas revelavam-se como desestabilizadores de certezas. Nas décadas de 50 e 60 eram evocados como “campos de pesquisa e áreas de conhecimento” que foram configurações e ao mesmo tempo mobilizados para “desconfigurar” a força de pensamento educacional.

 

“Os Intelectuais e as Reformas”
Profª. Diana Gonçalves Vidal (USP)
29/05/2008
Dado ao tema amplo do seminário do ano de 2008 (As reformas da escola pública no Brasil), a professora Daiana escolheu o recorte de um personagem: Fernando de Azevedo e uma obra: ”Inquérito sobre a Instrução Pública em são Paulo” de 1926. A autora busca avaliar o contexto no qual Azevedo realizou a reforma no Rio de Janeiro, então Distrito Federal.

 

“As Reformas do Corpo na Escola”
Prof. Tarcísio Mauro Vago (UFMG)
12/06/2008
Pensar a educação é, segundo o professor Tarcísio, pensar também a construção do corpo considerando que que a primeira incide fortemente sobre o segundo. Para realizar tal pensamento observa-se a reforma de Ruy Barbosa, ainda no tempo de império, e reformas no Ensino Primário mineiro na primeira metade do século XX.

 

“A Escola e as Reformas Sociais: a família em questão”
Profª. Ana Maria Bandeira Magaldi (UERJ)
28/08/2008
A relação entre família e escola, assunto discutido ainda hoje, foi uma fala bastante repetida nas discussões sobre reformas nas décadas de 20 e 30. Contudo a ideia de colaboração entre as instituições proposta na época parece não ter se concretizado. A forma como a questão se apresenta na contemporaneidade é recorrente a referência à tensão e às dificuldades que têm marcado as relações entre família e escola, ainda que se observe a necessidade de estabelecimento de uma parceria entre família e escola.

 

“Reformas da Educação na América Latina”
Profª. Adriana Maria Cancella Duarte (UFMG)
25/09/2008
A América Latina foi constituída a partir da colonização, da coerção ao trabalho de seus nativos e de negros áfricas. Seus planos educacionais iniciais tinham claramente a missão de transformar a “barbárie” local em civilização. Nos anos 80 e 90, os sistemas educacionais latinos passara por reformas que buscaram colocar a educação em acordo com as transformações econômicas, sociais, culturais e políticas do capitalismo moderno.

 

“Reformas e Democratização da Escola Pública no Brasil”
Prof. Carlos Roberto Jamyl Cury (PUC Minas)
30/10/2008
“Os Professores e as Reformas”
Prof. Miguel González Arroyo (UFMG)
27/11/2008