Entrememórias 185

Quando a escola te inspira

Vanessa Martins Gonçalves

 

A minha memória é um pouco falha quando tento lembrar-me dos meus primeiros anos na escola, no jardim de infância e depois no que se chamava de pré-escola. Não tenho grandes lembranças das professoras, das turmas e dos coleguinhas que tive. Das poucas lembranças que tenho, lembro de ser uma criança agitada em sala de aula, minha mãe sempre recebia bilhetes de reclamação porque eu conversava. Embora fosse a tagarela da sala, sempre era elogiada nas reuniões de pais pelas boas notas e pela educação que tinha, segundo relatos da minha mãe. Mesmo com tão poucas lembranças, sempre me recordo da sensação de bem estar que sentia na escola, gostava de estar naquele ambiente, com a turma, os professores. Sempre me comprometia ao máximo com todas as tarefas, lembro de fazê-las com muita alegria e satisfação.

Do ensino fundamental é o momento escolar que tenho mais lembranças guardadas na memória. Lembro de todos os professores que tive, exatamente todos! Adorava a minha turma, os amigos que tinha, a escola, a sua estrutura, os trabalhos interdisciplinares, a festa-junina, as feiras culturais, amava tudo! O meu ensino fundamental foi divido entre duas escolas que igualmente me marcaram muito. A partir da 5ª série fui para uma escola municipal da rede pública de Belo Horizonte, que ficava muito próximo da minha casa. Nessa escola fiz os meus melhores amigos, com os quais ainda tenho contato até hoje. Lá aprendi a admirar profundamente os meus professores – claro que tinha aqueles que pouco me agradavam – e passei a amar História incondicionalmente, e, ainda na 7ª série, me lembro de ter dito para a minha professora de História que quando eu crescesse seria professora de História igual a ela.

Confesso que não tinha muita simpatia pelas professoras de História que tive até a 7ª série. Sempre era a mesma aula entediante: a História era uma disciplina chata e de “decoreba”, perdi a conta das inúmeras vezes que a professora pedia para fazer o resumo do livro didático, sendo o momento da aula reservado para isso. Achava muito chato, embora sempre me encantava com as Histórias antigas contadas pelos meus avôs a mim. Porém, quando eu cheguei na 7ª série, comecei a ter aulas com uma professora de História de que jamais me esqueci, ela abriu outro mundo à minha frente. Ao invés de achar História uma matéria chata, passei a amá-la, a me encantar, a querer estudar História para o resto da minha vida. Lembro dela dando deliciosas aulas, passando reflexivos filmes e usando uma variedade de documentos históricos em sala: imagens, pinturas, músicas, artigos de jornais, filmes etc. Naquelas aulas eu decidi que seria professora de História e que teria ela como referência.

Não sei se essa professora sabe da tamanha influência que ela teve na minha vida, como as suas aulas e seu carinho com os alunos me motivaram a abraçar a docência em História. Sempre me lembro dela e de como ela me abriu um mundo que até então eu desconhecia, me abrindo uma variedade de possibilidades culturais. Foi através das criticas políticas que ela fazia em sala, a partir de notícias vinculadas na mídia, que eu despertei para esse outro mundo que eu não tinha muito contato. Aprendi a ler uma notícia de forma crítica e que a parcialidade não existe, que a Democracia era um valor e que devíamos cultivá-lo.

Hoje, já na graduação em História, sempre me recordo dessa professora com muito carinho. Antes de preparar uma aula, muitas vezes me vem à cabeça como ela o faria, pois sei que ela faria o melhor que pudesse. Se hoje faço História e continuo com o desejo enorme de dar aula de História, ela tem uma grande parcela de responsabilidade nisso. Sem saber, o meu futuro e o caminho que seguiria estavam sendo tecidos quando assistia e me encantava com as suas aulas.

Com esse relato espero que consiga mostrar como a educação e a figura de uma professora mudaram a minha vida e me abriu perspectivas para o futuro, clareando um caminho que não tinha definido. Se hoje sou feliz e realizada com a opção profissional que fiz, e a partir dessa escolha ser possível transformar positivamente muitas vidas, isso se deve a professores incríveis que tive e me inspiraram a seguir esse caminho, principalmente a essa professora de História que tive no ensino fundamental, que me abriu o mundo para descobrí-lo.


*Vanessa Martins Gonçalves é graduanda em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Minas Gerais

vanessamartins41@outlook.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *