Miguel Arroyo lança livro sobre Educação de Jovens e Adultos na FaE/UFMG

Cláudia Chaves Fonseca

O professor emérito da Faculdade de Educação da UFMG, Miguel Arroyo, lançou, na sexta-feira, dia 17 de novembro, seu mais recente livro, intitulado “Passageiros da Noite, do trabalho para a EJA”. O subtítulo – itinerários pelo direito a uma vida mais justa – já se constitui em um convite para a leitura desta obra fundamental a todos que se interessam pelas relações entre educação e equidade social. Na palestra de lançamento, o professor destacou os estudantes da Educação de Jovens e Adultos como um sujeito de direitos, não só direito à educação, mas também à cidade, à memória e outros lugares sociais.

Ao propor uma reflexão a respeito das trajetórias dos trabalhadores-estudantes, Arroyo tem como mote central do livro a consideração da categoria trabalho na agenda pedagógica. A compreensão do mundo do trabalho, suas lutas e seus desafios é essencial para a construção do currículo para a modalidade EJA, uma vez que a agenda pedagógica deve ser modelada pela vida concreta dos sujeitos. São pessoas que se deslocam, tanto objetivamente no trajeto casa-trabalho-escola, quanto simbolicamente no meio social, em busca de sobrevivência e reconhecimento.

Na apresentação do livro, o autor cita Paulo Freire, quando o pedagogo afirma a humanização como meio e fim educacional. Arroyo reafirma a condição de sujeitos coletivos dos atores do EJA – sejam eles alunos ou professores. A condição de agentes de sua própria história os faz, além de sujeitos do direito ao conhecimento, sujeitos do direito à cultura, à diversidade, à memória e ao corpo.

Miguel Arroyo é doutor em Educação pela Stanford University (1976) e professor titular emérito da FaE/UFMG. Foi secretário adjunto de Educação da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, coordenando e elaborando a implantação da proposta político-pedagógica Escola Plural.

Publicado pela editora Vozes, “Passageiros da Noite” tem 23 capítulos em 288 páginas. É mais um título na extensa obra pedagógica do autor, em que se sobressaem, entre outros: Outros sujeitos, outras pedagogias; Imagens quebradas; Currículo: território em disputa e Corpo-infância.

This Post Has One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *