Educação em debate, edição 237

Se Bolsonaro soubesse ler – Dalvit Greiner de Paula – EXCLUSIVO
O mundo desenvolvido virá buscar nossos cérebros e montará maiores e melhores laboratórios para desenvolver mais e melhor ciência em seus países.

A estética do atraso – Aleluia Heringer – EXCLUSIVO
Pensar um projeto que garanta a segurança do cidadão é de alta complexidade e contempla inúmeras variáveis.

Uma ponte entre os anos sessenta e os dias atuais: desfazendo “avanços civilizatórios” – Ana Costa – EXCLUSIVO
Víamos as primeiras gerações de famílias de classes populares acessarem a universidade pública. “Balbúrdia”, “excesso de democracia”!

Planos de vista – Finalmente, Comissão de Educação monitorará aplicação de Plano Estadual de Educação – Carlos Henrique Tretel – EXCLUSIVO
Fingem inexistirem leis que eles mesmos discutiram e aprovaram, as que instituíram os planos municipais, estaduais e nacional de educação.

Ciências socioambientais, ecologia e humanidades: construindo diálogos contemporâneos – Vagner Luciano de Andrade – EXCLUSIVO
Promover a reflexão e debate, bem como o enfrentamento é uma alternativa mais viável para transformar realidades e vidas afetadas.

Resistência frente à nova tendência em educação: o que está por trás das “novas” diretrizes do MEC – Tiago Tristão Artero – EXCLUSIVO
No contexto brasileiro, uma educação que prevê em seus documentos oficiais a meritocracia e, ao mesmo tempo, insere um abismo entre a educação dos pobres e a educação dos ricos, mostra-se incoerente.

Quem ganha com as filmagens em sala de aula? – Nexo
O incentivo de governantes à gravação de vídeos de professores valida uma prática de intimidação – como se a violência fosse uma boa estratégia de resolução de divergências.

Confiança e autonomia das universidades – Estadão
Mais do que um preceito legal, a autonomia das universidades é uma condição necessária para que cumpram o papel que a sociedade espera delas, como principais depositárias da cultura, polos de criação de novos conhecimentos e instituições formadoras de profissionais competentes.

De onde vem o “consenso” sobre a BNCC? – Priscilla Pantaneira (via Professores contra o Escola Sem Partido)
Antes de mudanças convenientes, nem o próprio CNE conseguiu refletir esse suposto consenso de que tanto se fala.

A pós-verdade da avaliação censitária – Avaliação Educacional
Em princípio, avaliações de larga escala devem servir para avaliar políticas educacionais dos governos, mas, com o advento das políticas neoliberais na educação o campo da avaliação foi sequestrado por estas políticas e as avaliações passaram a ser voltadas para fiscalizar as escolas, invertendo sua direção.

Nota de repúdio aos cortes na Educação – Anped
Os efeitos dos cortes são brutais, a ação da Capes recolhendo bolsas dos programas de pós-graduação, sem qualquer aviso prévio, evidencia a velocidade do desmonte das condições de oferta educacional no País

“A crise da escola é a crise da democracia” – El País
O pedagogo norte-americano Henry Giroux defende que todas as disciplinas incorporem o pensamento crítico para promover o combate a ideologias extremistas: “A direita não quer que as pessoas pensem”.

A Olimpíada de Matemática e os cortes do MEC – Ciência e Matemática (via O Globo)
O investimento em ciência é tão essencial para o progresso de um país quanto a educação de seus jovens engenhosos.

Nota pública posicionamento do MIEIB frente às medidas do atual governo federal – MIEIB
É pautado em seus princípios que o MIEIB soma esforços a outros movimentos, entidades e associações científicas que têm como bandeira de luta a defesa intransigente do direito à vida, da dignidade humana e dos direitos sociais.

Cortes na educação: um governo “fake”? – Avaliação Educacional
Tenta-se separar Bolsonaro das más notícias como se ele estivesse tomando medidas duras que não gostaria de tomar.

Avanços urgentes e necessários na educação – ABEPAR
Associação Brasileira das Escolas Particulares divulga nota oficial sobre a conjuntura.

Callegari: desmonte do ensino público – Carta Capital
Os cortes orçamentários na educação e os recorrentes ataques aos professores, acusados de disseminar o “marxismo cultural” no Brasil, estão longe de expressar a simples falta de projeto do governo para o setor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *