CONVITE À LEITURA 

 

Nº 168 -14/07/2017

Corpo, educação, palavra: um convite à leitura – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO
El cuerpo, entre Homero y Platón é um livro singular. Escrito por Ricardo Crisorio, parte da crítica à noção de educação física, deslindada em sua gramática e nominação, e contrapõe-se a ela na apresentação do que chama de educação corporal

Nº 167 -07/07/2017

Instrução Pública Primária no Brasil – Luciano Mendes de Faria Filho
O livro, Impasses e desafios à organização da instrução pública primária no Brasil(1890-1930), procura apresentar as questões que nortearam a disseminação do ideário republicano, constante nas mensagens dos presidentes dos estados de São Paulo, Rio Grande do Norte e Paraná, bem como a legislação educacional derivada no âmbito dos princípios da Primeira República, entre 1890 a 1930, tendo nos escolas primárias um dos seus principais vetores.

Nº 166 -30/06/2017

Nº 165 -23/06/2017

Literatura infanto-juvenil e meio ambiente – Vagner Luciano de Andrade -EXCLUSIVO

Exemplos como o livro “A Serra dos Dois Meninos” consolidam a ideia de que a literatura infanto-juvenil pode ser um dos meios para uma abordagem interdisciplinar do meio ambiente e sua importância para a vida humana.

Nº 164 – 14/06/2017

História, Educação e Resistência: a USP nos anos iniciais da Ditadura Militar – Thiago Henrique Sampaio

Marcha contra o saber, título mais eloquente não poderia ser dado para uma obra cujo foco é entender os impactos causados pelo regime militar no sistema universitário brasileiro.

Nº 163 – 09/06/2017

Um presente para o futuro – Luciano Mendes de Faria FilhoAo focar a incômoda presença dos homens da educação infantil, a obra de Joaquim Ramos nos ajuda a desnaturalizar as representações que sustentam o evitamento dos homens pela profissão e, tão sério quanto isso, o receio das famílias e as resistências das professoras em relação à presença dos homens, como professores, junto às crianças pequenas.

Nº 162 – 02/06/2017

A família presente na narrativa – Marcus Aurélio Taborda de Oliveira
Em sessão especial para o programa de rádio Pensar a Educação, pensar o Brasil o professor Marcus Taborda apresenta e reflete sobre o livro Léxico Familiar da escritora Natalia Ginzburg.

Nº 161 – 26/05/2017

Sobre justiça e bem comum: o que devemos uns aos outros – Pedro Luiz da Costa Cabral – EXCLUSIVO

“Justiça, O que é fazer a coisa certa”, de Michael Sandel, constrói de forma simples esse tema no qual as convicções nem sempre são certeiras e os desacordos derivam de posições éticas diferentes.

Nº 160 – 19/05/2017

O que podemos aprender com o filme: Eu, Daniel Blake – Roberta Poltronieri -EXCLUSIVO

O filme permite dialogar com a obra “O Processo”, de Franz Kafka, livro que conta a história de Josef. K. que, preso sem saber o motivo, sofre com a injustiça, ou com a falta de justiça propriamente dita, ao ser processado sem saber o porquê. 

Nº 159 – 12/05/2017

O Estado e suas formas contemporâneas de intervenção pública: anotações acerca do filme “Eu, Daniel Blake” – Roberto Rafael Dias da Silva – EXCLUSIVO
De acordo com os críticos de cinema que acompanham o trabalho de Ken Loach, a narrativa volta a tratar de uma defesa das minorias frente aos abusos cometidos pelo Estado.

Nº 158 – 05/05/2017

Para compreender a docência masculina na Educação Infantil  – Sandro Santos – EXCLUSIVO 

Convidamos os/as profissionais da educação, principalmente àqueles/as sensíveis às questões da diversidade e que lutam, cotidianamente, pela equidade entre homens e mulheres, meninos e meninas, a conhecerem a obra.

Nº 156 – 20/04/2017

Memórias da Escola 15 – Cleide Maciel – EXCLUSIVO

O educador: vida e morte, focalizou, com marcante força argumentativa, a dimensão política da ação docente. As questões técnicas, essas estavam na mira das críticas… 

Algo sobre ser professor (ou sobre Nêmesis, De Philip Roth) – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO

O professor se legitima, como costuma acontecer, pelo domínio corporal que ostenta, de como atua em cada base do beisebol e salta do trampolim, ou de como conduz o dardo antes de lançá-lo.

Nº 155 – 12/04/2017

Educação de Jovens e Adultos: uma breve reflexão – Dilene Pinheiro da Silva – EXCLUSIVO
A educação de jovens e adultos no Brasil é um tema que tem sido motivo de discussões nas diversas esferas do governo, alvo de disputas e interesses dos mais diversos. A autora Vera Lúcia Nogueira em seu livro “A Escola Primária Noturna em Minas Gerais (1891-1924)”, descortina que desde a República, ou mesmo antes desde o império, o Brasil já possui a demanda de Educação de Jovens e Adultos.

Nº 154 – 07/04/2017

O luar da minha terra – Libéria Neves
Catulo da Paixão Cearense foi um poeta, músico e compositor brasileiro. Nascido no Maranhão, suas poesias e canções espalharam por todo o Brasil levando o som e o sentimento da poesia sertaneja. Na sessão Belim Beleza do programa de Rádio Pensar a Educação, Pensar o Brasil do dia 03 de abril, a professora Libéria Neves fala um pouco da obra deste grande artista brasileiro.

Nº 153 – 31/03/2017

“As experiências de Lispector” – Marcus Taborda de Oliveira

No programa de radio Pensar a Educação, Pensar o Brasil do dia 20 de março, o professor Marcus Taborda apresentou uma resenha do livro “Uma aprendizagem ou Livro dos Prazeres” de Clarice Lispector.

Nº 152 – 24/03/2017

A série televisiva “3%” e as novas políticas curriculares para o Ensino Médio:  algumas conexões  – Roberto Rafael Dias da Silva – EXCLUSIVO

Que conexões podemos estabelecer entre a campanha publicitária do “Novo Ensino Médio” e o seriado “3%”, recentemente divulgados no contexto brasileiro? Minha hipótese, a qual coloco em discussão neste breve texto, supõe que ambas as cenas analisadas inscrevem-se nas condições de fabricação de um “sujeito de rendimento”. 

Nº 151 – 17/03/2017

Módulo II: o planejamento de ensino –  Orlando Gomes de Aguiar Júnior

O material pretende ser uma conversa entre professores sobre a ação de planejar o ensino e os instrumentos que podem fazer mais efetivo o esforço de preparar, organizar e otimizar a ação em sala de aula. Sempre que possível, o autor traz exemplos e situações práticas que possam fomentar o diálogo entre educadores e o trabalho coletivo no PDP.

Nº 150 – 10/03/2017

Memórias da Escola 14 – Cleide Maria Maciel de Melo – EXCLUSIVO

Quando lembro de minhas experiências escolares no estudo da língua portuguesa, quase sempre, a gramática está presente. Desconstruir alguns padrões de escrita, engessados em modelos “exógenos” não foi – e continua não sendo –, tarefa fácil.

Nº 149 – 16/12/2016

Pós-graduação como matéria literária. Breve comentário – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO

Que tempo é este em que a pós-graduação tem tanta força, agora também como matéria literária? Talvez a tentativa de resposta nos diga algo. Mas, perguntar já é bastante, a estas alturas.

Nº 148 – 09/12/2016

Crianças estrangeiras: experiências de escolarização em um país distante – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO

A vida dos pequenos estrangeiros nem sempre é das mais fáceis nas escolas alemãs, apesar do enorme esforço dispendido pelas unidades e, no interior delas, pelos professores e professoras. Os choques culturais são diários, lidar com o passado às vezes difícil no país de origem, mas também com a saudade, é um enfrentamento a ser feito.

Jovens Universitários em um Mundo em Transformação: uma pesquisa sino-brasileira – Paulo Carrano

Para Eduardo Luiz Zen, um dos organizadores do livro e técnico de planejamento e pesquisa do Ipea, os dados levantados pelo estudo traçam um perfil bastante amplo da juventude universitária em ambos os países e buscam contribuir para melhorar a compreensão intercultural e identificar possíveis bases de cooperação sino-brasileira. 

Nº 147 – 02/12/2016

A Tradutora, de Cristovão Tezza  – Luciano Mendes de Faria Fillho – EXCLUSIVO
O livro se centra na história de uma tradutora curitibana que, às voltas com a tradução do livro de um filósofo catalão para o português, é contatada pela FIFA para acompanhar um de seus executivos que fará uma visita a Curitiba como parte da preparação para a realização, na capital paranaense, dos jogos da copa do mundo de 2014.

Nº 146 – 25/11/2016

Fragmento e força: Minima Moralia, aos 65 anos – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO

Em 1951 foi publicado na Alemanha um dos mais importantes livros de Theodor W. Adorno, um volume relativamente breve que em sua constituição reúne grande parte dos temas e do esforço de síntese daquele que foi um dos maiores intelectuais do século vinte.

A Mulher-Fósforo, de Mariana Tabosa (Linguaraz Editor. 2016) – Luciano Mendes de Faria Filho – EXCLUSIVO

Desde que comecei a ler Adélia Prado, sempre me impressionou sua capacidade de fazer aflorar nas palavras a mundaneidade das experiências femininas e religiosas mineiras. Em suas letras, lá estão as muitas feminilidades e o enigma religioso, sempre temperado com o tempero mineiro que, às vezes, dói até os ossos. Mundaneidade altiva….

Nº 145 – 18/11/2016

La escuela moderna. ¿Reacción o progreso? – Gabriela Ossenbach

En ella Almendros se refiere a cómo las críticas a Freinet y el cambio revolucionario que se estaba produciendo en Cuba en esos años cortaron el proceso de implantación experimental del modelo de la imprenta en la escuela que él ya había empezado a desarrollar en la Escuela Primaria Anexa a la Universidad de Oriente, y que ahora comenzaba  a poner en marcha en la Ciudad Escolar Camilo Cienfuegos. Esta experiencia quedó frustrada, y el texto de Herminio Almendros ayuda a comprender el porqué de su interrupción.

Nº 144 – 11/11/2016

Homenaje a Cecilia Braslavsky. Conocimiento, historia y política en la educación – Antón Costa Rico

La argentina Cecilia Braslavsky (1952-2005) es una marcante figura en el terreno de las actuales formulaciones orientadas hacia la construcción de una política democrática e inclusiva de la educación.

Nº 143 – 04/11/2016

O ensino de História de Educação na Escola Normal. Entre o prescrito e a realidade escolar Antón Costa Rico

El presente estudio, situado, pues, en el campo de la historia currícular, que se concentra en una concreta geografía brasileña (que podemos observar en sus segunda y tercera parte) contiene igualmente una primera parte que nos traslada a un debate más general: «Los inicios de la institucionalización y las prescripciones para la enseñanza de la Hª de la Educación».

Nº 142 – 28/10/2016

Dos pardieiros aos palácios : forma e cultura escolar en Belo Horizonte (1906-1918) – Antón Costa Rico

Estos palácios do saber ponían en funcionamiento dispositivos de imposición de nuevas reglas de sociabilidad urbana, señalando valores y comportamientos, todo ello no exento de conflictos, que el investigador examina y valora.Horizonte, marcando una especie de ruptura con el pasado, dice Marta Chagas. Estos palácios do saber ponían en funcionamiento dispositivos de imposición de nuevas reglas de sociabilidad urbana, señalando valores y comportamientos, todo ello no exento de conflictos, que el investigador examina y valora.

Nº 141 – 21/10/2016

Formação Docente na UFMG: história e memória Luciano Mendes, João Valdir e Nelma Marçal

Esta publicação é resultado do projeto integrado de pesquisa “Formação de Professores para a Educação Básica na Universidade Federal Minas Gerais: história, memória e modelos atuais”, financiando pela FAPEMIG e pelo CNPq. O objetivo central foi investigar o processo pelo qual a UFMG se constituiu como instituição formadora de professores para a educação bá­sica, bem como os modelos de formação debatidos, elaborados e operacionalizados pela instituição ao longo de sua história.

Nº 140 – 14/10/2016

Lançamento da Revista Brasileira de Educação Básica – RBEB

Um projeto acalentado há vários anos que, finalmente, vem à luz. A RBEB visa divulgar experiências, pesquisas, opiniões e debates que contribuam para a elevação da qualidade da escola básica no Brasil. Queremos também ser um veículo de reconhecimento e de fortalecimento da autoria dos profissionais que atuam no cotidiano da escola.

Nº 139 – 07/10/2016

Belim Beleza – Professor Tarcísio Mauro Vago

Inspirado na obra de João Guimarães Rosa, o Professor Tarcísio Mauro Vago fez na última segunda feira, um passeio pelo cenário cultural do sertão. Com música, causo e poesia um tempo ‘felizinho de aprazível’ para ilustrar os dias com grandes referências brasileiras como Rolando Boldrim e Manuel de Barros.

Nº 138 – 30/09/2016

Resenha do livro “A qualidade da escola pública no Brasil”, organizado por Marcus Aurélio Taborda – Kátia Ariane da Silva – EXCLUSIVO

O livro A qualidade da escola pública no Brasil, apresenta artigos que propõem refletir sobre a educação escolar, além de discursar a qualidade do ensino público no Brasil.

Nº 137 – 23/09/2016

Dona Ursula – Eliane Marta

Eu disse certa vez, que não procuro, acho. E assim foi com esse texto abaixo reproduzido. Admirada por saber que o escritor Joaquim Manoel de Macedo havia escrito um ANNO BIOGRAPHICO BRASILEIRO – 1876, destinado a ser apresentado na Exposição Nacional de 1875, e escrito a pedido da Comissão Organizadora, fui tomada de grande curiosidade. Folheando-o nesse excepcional instrumento de busca na web,  dei com primeiro verbete do volume três : 1º de Setembro D. Maria Ursula de Abreu e Lancastro.

Nº 136 – 16/09/2016

Individualização, autorreferencialidade e educação contemporânea – Roberto Rafael Dias da Silva – EXCLUSIVO

Autores como Gilles Lipovetsky, Ulrich Beck e Zygmunt Bauman, dentre outros, têm tratado essa problemática a partir de determinadas tradições de pensamento. Todavia, escolhi examinar nesta breve composição analítica um texto não-acadêmico, a conhecida encíclica Laudato Si’, redigida pelo Papa Francisco e publicada no ano de 2015.

Nº 135 – 09/09/2016

Um diálogo entre as artes – “O poderoso Chefão” as óperas e tragédias – Randlle Brito

O drama exacerbado, as grandes cenas carregadas de sentimento, as paixões proibidas, o fatalismo de ter um destino traçado, todos os elementos das óperas estão presentes nos três filmes.​

Nº 134 – 02/09/2016

Aquarius, de Kléber Mendonça Filho – Pablo Villaça

Interessado também nos elementos políticos e sociais que oferecem contexto à trajetória daqueles indivíduos, o diretor aponta o autêntico corporativismo de uma elite que se protege através de ligações obviamente promíscuas (o jovem engenheiro é afilhado do irmão de um editor de jornal que, por isso, o mantém presente nas colunas sociais, inflando sua reputação), remetendo também ao preconceito velado que se mantém imutável ainda hoje (“Sei que a senhora veio de origens humilde…”, presume alguém sobre Clara apenas por estar ter “a pele mais escura”).

Nº 133 – 26/08/2016

“A Qualidade da Escola Publica: um debate permanente” – Virgilino Martins Félix – EXCLUSIVO

O livro “A Qualidade da Escola Pública no Brasil”, apresenta artigos cuja temática vem sendo discutida há anos, mas que nunca deixou de ser atual. No mundo em constante desenvolvimento, principalmente tecnológico, não podemos deixar de pensar no desenvolvimento da própria educação e questionar constantemente sobre sua qualidade.

Nº 132 – 19/08/2016​

Jürgen Habermas: intelectual, professor – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO

Há poucas semanas, Jürgen Habermas concedeu uma entrevista ao prestigioso hebdomadário Die Zeit (O tempo), cuja motivação primeira foi o referendo que indicou a saída do Reino Unido da Comunidade Europeia.

Nº 131 – 12/08/2016

Mestres e Doutores – 2015: as faces da elite acadêmica brasileira Blog Pensar a Educação

Como já tivemos ocasião de comentar em nosso Facebook, o CGEE acaba de lançar um importante estudo sobre os Mestres e Doutores no Brasil. Dando continuidade a estudos já realizados pela mesma instituição, a pesquisa representa uma ferramenta fundamental para a avaliação e para a elaboração de políticas para a pós-graduação no país.

Nº 130 – 05/08/2016

Moderno, Modernidade e Modernização: a educação nos projetos de Brasil – séculos XIX e XX Hiassana Scaravelli e Sélia Ana Zonin

O livro Moderno, Modernidade e Modernização: a educação nos projetos de Brasil – séculos XIX e XX organizado por Natália Gil (UFRGS), Matheus da Cruz e Zica (UFPB) e Luciano Mendes de Faria Filho (UFMG) é composto por onze artigos. Por se tratar de uma coletânea de artigos e levando‐se em consideração os limites que configuram a escrita de uma resenha, optamos por não apresentar cada artigo individualmente, mas mostrar ao leitor os principais conceitos, fontes, recortes temporais e referenciais teóricos mobilizados nesta obra.

Nº 129 – 08/07/2016

Memórias da escola 13Cleide Maciel – EXCLUSIVO

Nesses encontros, tivemos como dever de casa, a leitura do livro 200 exercícios e jogos para o ator e o não-ator com vontade de dizer algo através do teatro, de Augusto Boal. Muitos dos exercícios ali propostos foram praticados por nós (muitos, com outras variações advindas da mente fértil do nosso “instrutor”…). Além de nos “obrigar” à experiência de outros modos de comunicação que não a fala, os “exercícios do Boal” se apresentaram como alternativas inusitadas para o enfrentamento de nossos problemas de disciplina com os adolescentes, nossos alunos.

Nº 128 – 1º/07/2016

A necessidade de ideias que choquem o mundo Mateus Vinicios Afonso RochaEXCLUSIVO

Hannah Arendt – Ideias que chocaram o mundo (2012) é um drama biográfico dirigido por Margarethe von Trotta que retrata a cobertura feita pela filósofa alemã, interpretada por Barbara Sukowa, do julgamento do ex-oficial nazista Adolf Eichmann.

Nº 127 – 24/06/2016

Subjetividade da escrita, objetividade social: experiência coagulada de um tempo em De mim já nem se lembra, de Luiz Ruffato – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO

Um jovem operário especializado da região industrial da Grande São Paulo escreve cartas para sua mãe que junto com o restante da família vive em Cataguases, Zona da Mata do estado de Minas Gerais. A correspondência, da qual só conhecemos a parte escrita por ele, e que foi guardada pela mãe com esmero, vai de 1971 a 1976.

Nº 126 – 17/06/2016

Memórias da escola 12 – Cleide Maria Maciel de MeloEXCLUSIVO

Foi quando caiu-me às mãos o livro O educador: vida e morte, organizado por Carlos Rodrigues Brandão e publicado pela Graal. Os escritos deste livro foram falas no III Encontro Nacional de Supervisores de Educação, realizado em Goiânia entre 20 e 25 de outubro de 1980, tal como dito pelo organizador, na “apresentação”. Essas conferências – pronunciadas por Carlos R. Brandão, Marilena Chauí, Paulo Freire, Rubem Alves, Miguel Arroyo, Ildeu Coelho _ procuraram refletir sobre a dimensão política do trabalho pedagógico, a ação do pedagogo como um intelectual, um educador e não um burocrata.

Nº 125 – 10/06/2016

Delação – Eliane Marta

Petit Robert: Dénonciation inspirée par des motifs méprisables. ➙ calomnie, dénonciation, médisance. Faire une délation. ➙ dénoncer*, trahir, vendre. Développer « comme font toutes les dictatures, un ignoble esprit de délation et de discorde » (Duhamel). HOUAISS:Ato ou efeito de delatar; acusação secreta; denúncia. 2divulgação de algo ignorado ou secreto; mostra, revelação

Nº 124 – 03/06/2016

A educação no coração do Império: convite à leitura de um livro inexistente – Luciano Mendes de Faria Filho – EXCLUSIVO

O livro que o leitor tem em mãos é, certamente, a mais desconcertante e inusitada obra lançada na área de educação, no Brasil, nos últimos anos. Afinal, como explicar, dentro da mais recente tradição pedagógica e, porque não, política, que vicejam no campo educacional brasileiro, a publicação de um livro que trata da história da educação nos Estados Unidos da América?

Nº 123 – 25/05/2016

Boris Schnaiderman (17.v.1917 – 18.v.2016) e seu Caderno ItalianoAlexandre Fernandez VazEXCLUSIVO

Trata-se este de livro dos mais interessantes e faço dele um comentário como breve homenagem à longa, intensa e profícua vida de seu autor. Nele escasseiam os textos inéditos, mas sua reunião oferece um novo plano de leitura para os escritos que no mais das vezes se dedicam, como o título sugere, à experiência da II Guerra.

Nº 122 – 20/05/2016

Contribuições de Justino Magalhães nas pesquisas em história da educaçãoGilson Lopes da SilvaEXCLUSIVO

Nas últimas décadas vem ganhando ênfase no Brasil as pesquisas no âmbito da história das instituições educativas, principalmente com as contribuições do teórico português Justino Pereira de Magalhães presentes na obra Tecendo nexos. Nesse trabalho o autor aborda matizes que permeiam as relações entre educação, instituição e história, termos fundamentais que compõem o cerne de sua obra.

Nº 121 – 13/05/2016

Entre paredes, na escola: Cuatro por Cuatro, de Sara Mesa – Alexandre Fernandez Vaz – EXCLUSIVO

É em um internato misto que as coisas acontecem. Cuatro por cuatro (Barcelona: Alfaguara, 2012), de Sara Mesa, destaque de uma nova geração de ficcionistas espanhóis, é um romance cuja narrativa se assenta em relações enclausuradas de quem não pode, ou não quer, sair de um espaço que certamente oprime, mas que também produz regimes de verdade e naturaliza ritos.

Revista Minas Faz Ciência propõe uma reflexão sobre a produção de alimentos e as Ciências Sociais – Vivian Teixeira – EXCLUSIVO

Este número do Pensar a Educação em Pauta apresenta a edição 64 da Revista Minas Faz Ciência – publicação trimestral da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). A edição traz como matéria principal o tema que propõe uma reflexão sobre a contribuição da ciência aos enormes desafios da produção alimentar para reduzir a fome no mundo.

O ponto de vista das crianças Isabel de Oliveira e Silva

O livro nos revela que, com cuidado e delicadeza, o autor inseriu-se no universo das crianças na escola como pesquisador (pois como professor participa ativamente dele) e deixou-se levar pelos meninos e pelas meninas sem perder de vista suas perguntas e inquietações. Perguntas que procurou responder escutando, observando e sentindo as manifestações e sinalizações das crianças em diferentes situações e por meio de diferentes linguagens: verbal, gestual, plástica, corporal.

Nº 120 – 06/05/2016

Memórias da escola 11 – Cleide Maciel – EXCLUSIVO

Como professora, na faculdade, tínhamos a prática de fazer reuniões pedagógicas. Nesses momentos, discutíamos nossos programas, nossos problemas de sala de aula, as leituras que andávamos fazendo, os eventos/cursos dos quais participávamos, dentre outras coisas. Num desses encontros, uma colega, que se especializava no tema da alfabetização, falou sobre um encontro, do qual participara, em São Paulo, com Emília Ferreiro.

Nº 119 -29/04/2016

“Os movimentos da Matemática na escola”: mais um número do Pensar a Educação em Revista – Alexandra Lima da Silva e Evelyn de Almeida Orlando – EXCLUSIVO

A partir de uma perspectiva histórica, o autor busca dar conta dos vários movimentos que esta disciplina adquiriu no contexto da modernidade pedagógica e do processo de escolarização que aí se instaurou. Pensar essa disciplina nessa ótica de movimento é uma proposta do próprio autor que busca discutir as “idas e vindas” da disciplina, as inovações que incorporou, mas também, a permanência de alguns temas.

Nº 118 -20/04/2016

Um elogio à heresia! – Luciano Mendes de Faria Filho

Analisando diferentes temáticas e temporalidades diversas, o livro constitui uma unidade reflexiva, explicitada pelo organizador, que busca, no emaranhado tecido (ou rede) social que articula os sujeitos (intelectuais) às suas trajetórias e lugares de expressão e consagração (impressos e eventos), perseguir a hipótese da importância do entendimento da ação dos intelectuais para a conformação do processo de escolarização no Brasil.

Nº 117 -15/04/2016

A docência e suas artesanias: das possibilidades de produzir conversações inteligentes?Roberto Rafael Dias da Silva EXCLUSIVO     

Pensar a docência, sob inspiração dos estudos de Richard Sennett, poderia nos conduzir a pensá-la na condição de artesania. Um trabalho centrado na qualidade, nos princípios da perícia e do respeito próprio e nas trocas cooperativas. Na leitura que propus para esse texto, um dos sentidos possíveis para pensar a docência como artesania, estaria na sua vinculação às possibilidades de uma conversação inteligente.

Nº 116 – 08/04/2016

Gestão Escolar, Coordenação Pedagógica e Formação Continuada de Professores: O Programa Nacional Escola de Gestores na Universidade Federal de Ouro Preto – Lidia Martins – EXCLUSIVO

Este convite é para a leitura de duas publicações recentes sobre a experiência de implementação do Programa Nacional Escola de Gestores da Educação Básica Pública na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Nº 115 – 1º/04/2016

Por onde andou seu coração?Eliane Marta Teixeira Lopes – EXCLUSIVO
Maria Helena Cardoso, aos sessenta e três anos, a pedido de muitos amigos, decidiu contar suas memórias que couberam em 187 trechos e em 572 páginas: Por onde andou meu coração. Provavelmente, sobraram muitas, memória é coisa sem fim que se confunde com a de outros, com as que nunca aconteceram e com as que ficamos devendo ao vizinho, ao irmão, àquele livro… E às vezes certas lembranças pulam na frente de outros fatos que vieram mais tarde. Ora, memória é assim mesmo.

Nº 114 – 23/03/2016

“Loucos de Amor” e a desconstrução de mitos sobre a sexualidade: a deficiência e os transtornos globais do desenvolvimento em questãoAdriene SantannaEXCLUSIVO

O filme “Loucos de Amor” (2005), do diretor Petter Naess e estrelado pelos atores Josh Hartnette e Radhe Mitchell, evidencia com clareza os desafios enfrentados por um casal com transtorno global do desenvolvimento, especificamente o autismo, em busca da construção de um relacionamento e a livre manifestação da sexualidade.

Nº113 -18/03/2015

Entre a perícia e a meritocracia: como nos relacionamos com nosso trabalho? – Roberto Silva – EXCLUSIVO

Ao me deparar com as experiências profissionais de Joaquim, mais que reconhecer a qualidade do trabalho que desenvolvia, ou mesmo a leveza com a qual se posicionava no mundo, retomei minhas indagações acerca dos modos pelos quais nos relacionamos com o trabalho. Em linhas gerais, essa preocupação é derivada de meus estudos sobre a escolarização juvenil que se dá no Ensino Médio, da mesma forma que se associa aos estudos que recentemente tenho desenvolvido sobre as teorizações sociais de Richard Sennett.

Nº112 – 11/03/2016

Leitura obrigatória – Nelson Pretto – EXCLUSIVO

Fui prestigiar e já devorei um dos oito livros do novo selo João Ubaldo Ribeiro, lançado pela Fundação Gregório de Matos. Meu primeiro foi Alzira está morta, de Goli Guerreiro, e já estou partindo para os demais.

Nº111 – 04/03/2016

Memórias da escola 10 – Cleide Maciel EXCLUSIVO

A necessidade de ter sempre histórias para contar me tornou assídua nas prateleiras/estantes de livros infantis, tanto nas bibliotecas quanto nas livrarias. Não sei se todos têm uma história especial que lhe marcou a infância. Eu tive a Alice no país das maravilhas. Não me esqueço daquele livro que representou minha primeira versão: a capa, as ilustrações, o formato.

Nº 110 – 18/12/2015

Memórias da escola 9 Cleide Maciel – EXCLUSIVO

Lembrava-me, frequentemente, do meu tempo de professora primária e de quanto uma ideia/sugestão sobre o que fazer, “resolvia” meus problemas. Aprender pensando: contribuições da psicologia cognitiva para a educação. Terezinha Nunes Carraher (org.). Editora Vozes, São Paulo, 1986 – foi um desses livros. Quando o lia, pensava em como teria sido bom ter tido acesso ao seu conteúdo, no tempo em que tive que ensinar frações e decimais…

Nº 109- 11/12/2015

A necessidade da escola rural em Minas Gerais –  Arthur Leonardo Lemos de Carvalho – EXCLUSIVO

Não é possível estudar a educação rural de uma época, sem pesquisar o contexto histórico, político, econômico, social e cultural. Sem esquecer de que se trata de um período após a escravidão e a luta pela inserção dos negros na sociedade.

Nº 108- 04/12/2015

Provas de Liberdade – Uma odisseia atlântica na era da emancipação– Alessandra Schueler e Surya Aaronovich Pombo de Barros – EXCLUSIVO

Nessa obra, os pesquisadores investigaram de forma magistral a trajetória de uma família negra, num percurso que se inicia em fins do século XVIII e se estende até o século XX, após a Segunda Guerra Mundial.

Biblioteca Escolar, Comunitária e do Campo… Em construção – Marina de Souza Jacob – EXCLUSIVO

Pensar na biblioteca no mundo atual é algo bem diferente de quando surgiu, por volta de 300 a. C. no Liceu Atenas, sob coordenação de Aristóteles, que serviu de inspiração para uma outra ainda maior e pública: a biblioteca de Alexandria no Egito, construída pelo imperador Sotero Ptolomeu II na intenção de tornar-se grande centro cultural e atrair intelectuais diversos.

Nº 107 – 27/11/2015

O branqueamento no magistério no Brasil República – Arthur Leonardo Lemos de Carvalho – EXCLUSIVO

Tive uma sensação curiosa e interessante ao ler a obra de Maria Lúcia Rodrigues Muller, pois além do trabalho investigativo e minucioso nos acervos documentais, fotografias da época e periódicos, obtidos em arquivos públicos, ela faz um mergulho no universo da identidade individual e coletiva de professoras e professores, tornando assim, quase um retrato panorâmico de uma época.

Nº 106 – 20/11/2015

Memórias da escola 8 – Cleide Maciel – EXCLUSIVO

Certeza mesmo era de que, fora da gramática, não havia a menor chance de saber Português. A leitura ajudava muito, era fundamental, mas precisávamos ter o conhecimento das regras da boa escrita, para fazermos uma boa leitura.

Nº 105 – 13/11/2015

Educação e República: convite a leituras – Gilson Lopes da Silva – EXCLUSIVO

Acabei encontrando o livro, Grupos Escolares: cultura escolar primária e escolarização da infância no Brasil (1893-1971), organizado por Diana Gonçalves Vidal. O livro é permeado de textos de diversos autores de Norte a Sul do país, que destacam a presença dos grupos escolares em suas regiões e a importância dessa instituição como espaço de disseminação dos valores republicanos.

Nº 104 – 06/11/2015

Escolas escravas, madrasas corânicas – Alessandra Frota Martinez de Schueler-EXCLUSIVO

Não por acaso, a complexa relação entre leitura, escrita e magia constitui problemática central enfrentada no estudo, que visa aprofundar a nossa compreensão sobre a emergência de um acontecimento deveras significativo para a história brasileira: a chamada Revolta dos Malês, ocorrida em 1835, na cidade de Salvador, no Império do Brasil.

Nº 103 – 29/10/2015

Memórias da escola 7 Cleide Maciel EXCLUSIVO
Nessa época, eu lecionava numa segunda série. Era a segunda turma, composta por alunos de classe média baixa. Eram crianças “bem comportadas”, ou seja, faziam as lições de aula e de casa, falavam e ficavam em silêncio “em boa medida” (não me perguntem que “instrumento” eu usava para medir comportamento…), aprendiam com relativa facilidade, eram respeitosos comigo, enfim, não causavam problemas de

Nº 102 – 23/10/2015

De como uma coisa leva a outra… IIEliane Marta Teixeira Lopes EXCLUSIVO
Considera-se que Edgar Allan Poe (Boston, 19 de janeiro de 1809 — Baltimore, 7 de outubro de 1849 escritor, poeta, romancista, crítico literário) foi o primeiro escritor do gênero com seu Assassinatos (ou Os Crimes) da rua Morgue em 1841. Nos anos seguintes, mais duas histórias policiais do mesmo autor foram publicadas, “O mistério de Marie Roget” (1842-1843) e “A Carta Roubada” (1845).

Nº 101 – 16/10/2015

“Centro di documentazione e ricerca sulla storia del libro scolastico e della letteratura per l’infanzia – CESCO” e “Museo della Scuola Paolo e Ornella Ricca” – Vera Lúcia Gaspar  EXCLUSIVO

Desta vez ocupamo-nos do “Centro di documentazione e ricerca sulla storia del libro scolastico e della letteratura per l’infanzia – CESCO” e do “Museo della Scuola Paolo e Ornella Ricca”, vinculados à Università di Macerata, situados na cidade de mesmo nome, localizada na região de Marche, centro da península no lado do mar Adriático.

Nº 100 – 09/10/2015

Pensar a Educação em Revista lança mais um número: Formação de professores e História da Educação – Alexandra Lima da Silva e Evelyn de Almeida Orlando – EXCLUSIVO

Pensar a formação docente no Brasil é pensar a própria configuração do campo educacional no país, e o estatuto do ser professor, ou seja, a constituição de uma categoria profissional. O fazer-se professor/professora é indissociável da ideia de formação. Mas por onde começar?

A Universidade Crua de Philip Roth um comentário sobre a marca humana – Alexandre Fernandes Vaz  – EXCLUSIVO

Questões raciais, ressacas morais, clichês em profusão, desafios intelectuais, individualismo, narcisismo, cinismo: o retrato ficcional de Roth parece ser dos mais completos em A marca humana (Companhia das Letras, 2002; Companhia de Bolso, 2014, tradução – excelente – de Paulo Henriques Britto).

Nº 99 – 02/10/2015

OS PRAZERES DA NOITE: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930) – Rebeca Oliveira e Alessandra Schueler – EXCLUSIVO

Com uma escrita primorosa, a autora nos conduz ao submundo da noite paulistana, e suas relações com o universo da prostituição, não apenas com a intenção de descrever suas minúcias, mas sim de buscar problematizar os estereótipos construídos em torno da prostituta e suas redes de sociabilidades – os clientes, os policiais, os cáftens, as cafetinas, os médicos, as instituições de amparo e as associações entre as meretrizes.

Nº 98 – 25/09/2015

De como uma coisa leva a outra ou de como a outra leva a uma coisa – Eliane Marta Teixeira Lopes EXCLUSIVO

O verbo achar, é muito interessante. Pode ser: encontrar por ter procurado ou por acaso; pode ser: realizar (algo novo); descobrir (achamos a solução); pode ser: pensar ou avaliar acerca de; julgar (acham-no louco, acha-se esperto); e também: conjecturar, supor. Pois então… suponho, que é do ‘como’ que tratarei.

Nº 97 – 18/09/2015

Memórias da Escola 6 – Cleide Maciel – EXCLUSIVO

A técnica do ditado era seguida à risca. À risca? A leitura do texto deveria ser pausada, tínhamos que ler fragmentando o texto em porções de sentido e não, palavra por palavra ou períodos inteiros. Só podíamos ler duas vezes cada porção, ou seja, repetir uma vez.

Nº 96 – 11/09/2015

Cidadania e trabalhadores: cocheiros e carroceiros no Rio de Janeiro (1870 – 1906) – Bárbara Canedo e Alessandra Schueler EXCLUSIVO

O nosso Convite à Leitura destaca uma das publicações que compõe parte da série de trabalhos acadêmicos premiados e editados pelo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro. A principal finalidade da linha editorial é a divulgação de pesquisas, de caráter monográfico, que compreendam e divulguem o acervo da referida instituição.

Um elogio à heresia! – Luciano Mendes de Faria Filho 

Analisando diferentes temáticas e temporalidades diversas, o livro “História intelectual e educação” constitui uma unidade reflexiva que busca, no emaranhado tecido (ou rede) social que articula os sujeitos (intelectuais) às suas trajetórias e lugares de expressão e consagração (impressos e eventos), perseguir a hipótese da importância do entendimento da ação dos intelectuais para a conformação do processo de escolarização no Brasil.

Nº 95 – 04/08/2015

Navegando em memórias: um relato sobre o acervo digital do CEMESSC – Vera Lúcia Gaspar – EXCLUSIVO

Mais uma vez convidamos os leitores e as leitoras a conhecerem arquivos com acervos que guardam importantes registros sobre as histórias da educação e da escola. Desta vez colocamos em cena o Centro de Memória da Educação do Sul de Santa Catarina – CEMESSC.

Nº 94 – 28/08/2015

Anos 60 os movimentos que mudaram o mundo – Eliane Marta Teixeira Lopes – EXCLUSIVO

O passado não está morto, eu estou vivo, eu sou aquele mesmo que, naquele dia, naquele instante, fui. Esta frase, citada acima, expressa, com rara felicidade, o que senti ao ler o livro do professor, ex-reitor da nossa UFMG, um médico que publicou uma receita para estimular a memória e combater o torpor.

Nº 93 – 21/08/2015

Memórias da Escola 5 – Cleide Maria Maciel de Melo – EXCLUSIVO

Quando lecionei Didática, nos cursos de licenciatura, frequentemente me lembrava dos meus tempos de professora na educação básica. Por isso, entre outras escolhas, também me ocupava em ampliar as sugestões/ideias para serem colocadas na “seção de atividades disponíveis” (ou caixa de ferramentas) aos futuros professores.

“O Homem que Odiava a Segunda-Feira” – Marcus Taborda 

O professor Marcus Taborda apresenta o livro de Inácio de Loyola Brandão “O Homem que Odiava a Segunda-Feira”. Lançado em 1999 a obra continua muito atual e reúne cinco contos em que os personagens centrais têm como elo o horror, comum a quase todos nós, às segundas-feiras. Com humor delicado e sutil ironia, os contos de Loyola mostram um sarcástico retrato do país em que vivemos. A dica do professor Taborda foi ao ar no quadro Educação e Literatura do programa Pensar a Educação, Pensar o Brasil do dia 17 de agosto.

Nº 92 – 14/08/2015

Filmes e música: Cuba em destaque – Eugênio Magno – EXCLUSIVO

Como fiz no programa Cinema Falado desta semana, farei aqui também vou indicar não apenas um, mas dois filmes e uma música: Buena Vista Social Club e The sons of Cuba, os dois, produzidos por um cineasta pelo qual tenho grande admiração, o alemão Wim Wenders e a música Chan Chan com a Orquestra Buena Vista Social Club.

Nº 91 – 07/08/2015

“Acervo Marta Tavares”: Um acervo insólito? – Vera Lúcia Gaspar, Ana Paula de Souza Kinchescki e Gustavo Rugoni de Sousa  EXCLUSIVO

O “Acervo Marta Tavares”, como convencionamos chamar, está instalado na Escola de Educação Básica Professora Marta Tavares, localizada no Município de Rio Negrinho, situado na região norte do estado de Santa Catarina.

Nº 90 – 10/07/2015

Entre laranjas e letras: processos de escolarização no distrito-sede de Nova Iguaçu  – Alessandra Schueler – EXCLUSIVO

Com ênfase sobre a região geopolítica demarcada pelo distrito-sede de Nova Iguaçu, entre os anos de 1916 e 1950, a pesquisa contribui significativamente para a compreensão da história da educação em regiões ainda pouco estudadas, como é o caso do interior do Estado do Rio de Janeiro.

O Estudo Social em Perícias, Laudos e Pareceres Técnicos: contribuição ao debate no judiciário, penitenciário e na previdência social – Nancy Mara Fonseca – EXCLUSIVO

O livro “O estudo Social em Perícias, laudos e pareceres técnicos: contribuição ao debate no judiciário, penitenciário e na previdência social”, foi organizado pelo Conselho Federal de Serviço Social em parceria com grandes autores, ressaltando a importância dos debates e reflexões acerca dos instrumentos de intervenção profissional do Assistente Social.

Nº 89 – 03/07/2015

A dica deste número é o Centro Internacional de Cultura Escolar – CEINCE – Vera Gaspar – EXCLUSIVO

Este importante centro de estudos e pesquisas, se constitui não só como depositário de um valioso acervo de manuais escolares, além de objetos, biblioteca especializada como também naquilo que seu diretor, Professor Doutor Agustín Benito Escolano, chama de “escola invisível”.

Nº 88 – 26/06/2015

Memórias da Escola 4 – Cleide Maria Maciel de Melo – EXCLUSIVO

Só sei que a palavra intelectual “grudou” na minha mente, no meu corpo todo, como uma ventosa: ficava emocionada só de pensar nela. Não sei como a conheci. Não tinha ideia do seu significado: isso parecia não ser essencial, pelo menos nesse primeiro momento. Sentia-me mais importante, porque a trazia comigo.

Nº 87 – 19/06/2015

O sal da terra – Eugênio Magno – EXCLUSIVO

Nosso convite desta semana é sobre “O sal da terra”, filme indicado na sessão Cinema Falado, que foi ao ar no dia 06 de abril, no Programa de Rádio Pensar a Educação Pensar o Brasil. O filme é um retrato, ou melhor, são retratos da obra e da vida desse grande fotógrafo brasileiro, conhecido em todo o mundo, Sebastião Salgado.

Nº 86 – 12/06/2015

Organizar e proteger. Trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX) – Alessandra Frota Martinez de Schueler – EXCLUSIVO

Na Introdução do livro, os organizadores tecem considerações sobre as formas associativas e suas imbricações com o ideário liberal e iluminista que, desde o século XVII, no bojo dos paradigmas de civilização e progresso, fertilizou complexo movimento de reunião de indivíduos e grupos, de inteligências, virtudes, vontades e interesses comuns.

Nº 85 – 03/06/2015

Biblioteca Nacional de Maestros (Buenos Aires – Argentina) – Vera Lúcia Gaspar  EXCLUSIVO

Além dos serviços de apoio às bibliotecas escolares de todo o país e aos professores, da significativa atuação na preservação do patrimônio educativo, do estímulo à pesquisa e à leitura, tornou-se lugar que articula com maestria passado e presente.

Leitura: modo de usar VI  Eliane Marta Teixeira Lopes  EXCLUSIVO

Ao contrário do que sempre pensamos, não é a democracia que nos protegerá, somos nós que temos de protegê-la. Livros banidos, queimados, jogados às traças no porão das distribuidoras e editoras; escritores assassinados, perseguidos, relegados, ignorados por suas ideias… existem.

Nº 84 – 29/05/2015

Memórias da escola 3 – Cleide Maciel – EXCLUSIVO

São crianças pequenas, de primeiro ano primário. Cada uma “arranja” uma carteira e vão se assentando, dois a dois. Menino com menino; menina com menina. Não me lembro de nenhum caso em que um menino tivesse escolhido se sentar com uma menina.

Nº 83 – 22/05/2015

Outras terras à vista – Eugênio Magno – EXCLUSIVO

O livro, no dizer de seus organizadores se articula, partindo, em princípio, de olhares cuja experiência é incontestável, em primeiro lugar, sobre Educação e sobre o Campo e seus sujeitos; em segundo lugar, sobre Cinema e Educação.

História dos homens no Brasil – Alessandra Schueler – EXCLUSIVO

A coletânea de artigos, reunida por Mary Del Priore e Márcia Amantino em História dos homens no Brasil, representa uma contribuição fundamental para o debate de temáticas extremamente relevantes em nossa sociedade.

Nº 82 – 15/05/2015

Museu Pedagogico José Pedro Varela – Vera Lúcia Gaspar – EXCLUSIVO

Com mais de um século de vida continua ocupando o mesmo espaço, com poucas intervenções em seu projeto original e é considerado um dos mais antigos neste gênero em funcionamento. A construção foi edificada entre 1884 e 1886 no km 0 das rotas nacionais, em frente a Plazza de Cagancha na qual, desde 1867, se encontra a Estatua da Paz.

Plágio: palavras escondidas – Alessandra Junho Gama Belo – EXCLUSIVO

O livro pretende informar e sensibilizar os leitores para a importância da ética na escrita acadêmica, versando sobre as diversas formas de apropriação de textos e ideias, aceitáveis ou inadequadas — para não dizer desonestas —, na produção dos ditos originais.

Nº 81 – 08/05/2015

Ensaios para uma história da arte de Minas Gerais no século XIX, de Ricardo Gianetti – por Luciano Mendes de Faria Filho

A minuciosa pesquisa empreendida pelo autor joga luz em um aspecto dos mais fundamentais para o entendimento da constituição de projetos artísticos e políticos: as artes se mostram plenamente como lugar e condição de sociabilidades artísticas, políticas, intelectuais.

Nº 80 – 30/04/2015

Leitura: modo de usar V – Eliane Marta Teixeira Lopes

Às vezes uma pessoa que pouco conhece meus hábitos e minha vida entra na minha casa e faz duas observações, já esperadas: – Puxa… deve ser difícil limpar tudo. E: – Você já leu isso tudo? À primeira pergunta respondo que sempre tive auxiliares formidáveis, zelosas, que acabam gostando dos meus livros tanto quanto eu, e eventualmente levam algum para sua leitura ou de seus meninos.

Nº 79 – 24/04/2015

Memórias da Escola 2 – Cleide Maria Maciel de Melo – EXCLUSIVO

Se as atividades e materiais para ensinar/aprender a leitura não se colocavam para mim como um problema, não posso dizer a mesma coisa da escrita. Não me esqueço do esforço do sô João para escrever.

Nº 78 – 17/04/2015

As universidades  e o regime militar. Cultura política brasileira e a modernização autoritária, de Rodrigo Patto Sá Motta – Alessandra Schueler – EXCLUSIVO

O principal propósito do livro é o de compreender como se combinaram e/ou se chocaram as reformas modernizadoras do ensino superior e as políticas autoritárias e conservadoras, que caracterizaram os governos militares nas suas conjunturas diversas entre os anos de 1964 e os anos iniciais da década de 1980, período marcado pela gradual distensão e as medidas de “abertura democrática”. 

Nº 77 – 10/04/2015

Leitura: modo de usar IV – Eliane Marta Teixeira Lopes – EXCLUSIVO

Vou ao tradutor do Google (pronto, falei!), que por sinal está muito bem estruturado, e acho, KINDLE: acender; entusiasmar; arder; estimular; excitar; incendiar etc. Nada mal, hein? Atendendo às recomendações de UE conferi com o Webster: tudo corretíssimo!

Nº 76 -02/04/2015 

Autobiografia de todo mundo, uma inspiradora leitura de contexto – Vera Lúcia Gaspar– EXCLUSIVO

Ainda que muitas vezes não seja possível destrinchar o emaranhado de situações e detalhes que envolvem a construção textual e teórica, o exercício continua válido. Nesta tarefa temos alguns aliados e aqui destaco um livro singular, escrito por Gertrude Stein (1874-1946) cujo título já é uma provocação “Autobiografia de todo mundo”.

Nº 75 -27/03/2015 

Memórias da escola 1 – Cleide Maciel – EXCLUSIVO

Na mão esquerda, o caderno de plano de aula; na direita, o giz: estou de frente para o quadro negro transcrevendo um exercício. Gastara um bom tempo nessa preparação! Tratava-se da minha primeira turma, meu “primeiro emprego”! Precisava impressionar a diretora, a inspetora técnica, minhas colegas professoras no Grupo Escolar, todas já nomeadas!

Nº 74 -20/03/2015 

Educação e Direito à Educação no Brasil: um histórico pelas Constituições de Carlos Roberto Jamil Cury – Henrique de Oliveira Fonseca – EXCLUSIVO

Nº 73 – 13/03/2015

O Mulato, de Aluísio de Azevedo – Alessandra Frota Martinez de Schueler – EXCLUSIVO

Nº 72 – 06/03/2015

Leitura: modo de usar III – Eliane Marta Teixeira Lopes – EXCLUSIVO

Nº 71 – 19/12/2014

Leitura: modo de usar, na tela – Eliane Marta Teixeira Lopes – EXCLUSIVO 

Nº 71 – 19/12/2014

Registros do ensinar e do aprender: disciplina e conhecimento – Carlota Boto -EXCLUSIVO

Nº 70 – 12/12/2014

Hannah Arendt e a Condição Humana – Isabel de Oliveira e Silva – EXCLUSIVO

Nº 69 – 05/12/2014

Leitura: modo de usar II – Eliane Marta Teixeira Lopes – EXCLUSIVO

Nº 68 – 28/11/2014

Clara dos Anjos – Alessandra Frota Martinez de Schueler – EXCLUSIVO                 

Nº 67 – 21/11/2014

Leitura: modo de usar – Eliane Marta Teixeira Lopes – EXCLUSIVO

Nº 66 – 14/11/2014

A força da escravidão (Sidney Chalhoub) – Alessandra Frota Martinez de Schueler – EXCLUSIVO

Nº 65 – 07/11/2014

Convite à Leitura – Walter Omar Kohan – EXCLUSIVO