Nota do PEPB sobre o Museu Nacional

Nota do Pensar a Educação, Pensar o Brasil sobre o incêndio no Museu Nacional

O Projeto Pensar a Educação, Pensar o Brasil (1822/2022), em sintonia e solidariedade com toda a comunidade científica brasileira, lamenta profundamente a tragédia anunciada ocorrida na noite de 02 de setembro de 2018, que levou à destruição do monumental acervo do Museu Nacional do Rio de Janeiro, patrimônio histórico do povo brasileiro, construído e organizado por gerações e gerações de pessoas que a ele dedicaram suas vidas, desde sua criação há 200 anos, em 1818.

Perda irreparável para o Brasil, e para o mundo. Mais um crime de lesa-pátria contra a ciência e a educação brasileiras.

Muito da riqueza de nossa história até aqui, e também de nosso futuro como País, se foram no fogo. Fogo ateado pela incúria e pelo descaso do governo federal com as Universidades públicas e seu patrimônio científico e cultural.

Em um País que se encontra em processos de auto-destruição permanente, esse é mais um ato criminoso, que se segue a outros tantos cometidos contra a população e seus direitos.

É já um resultado perverso – e previsto – do congelamento imposto por esse governo ilegítimo a investimentos em áreas fundamentais para o desenvolvimento do País, como são a educação, a cultura, a ciência, a pesquisa e a tecnologia. Por inacreditáveis 20 anos! O que mais sucederá conosco até lá, se essa política de ‘austeridade’ continuar? 200 anos de trabalhos destruídos em quatro horas. As consequências são tantas e tão dolorosas, que se tornam mesmo indizíveis.

Como Projeto que se ocupa da história, do presente e do futuro do país, o PEPB considera essa tragédia um ato criminoso. Já eram do conhecimento do governo federal todas as precárias condições em que se encontrava o Museu Nacional. Sua destruição poderia ter sido evitada. Mas não se importaram com os inúmeros gritos de socorro vindos do Museu. Sequer compareceram às celebrações de seus 200 anos, em junho passado.

O Museu Nacional é da UFRJ. Como todas as universidades federais, ela também teve seu orçamento reduzido nos últimos anos. A verba para o Museu vem caindo desde 2013, chegando a um valor irrisório para este ano. Até “vaquinha” pública estava sendo feita para a população ajudar em sua manutenção. Vergonha nacional.

Agora, cabe perguntar: quantos museus mais precisarão ir à ruína para que se valorize a preservação de nosso passado, condição para a construção de nosso futuro?

A luta pela memória e pela história de nosso povo sofreu um grande golpe, ontem.

Mas, é tempo de reunir forças para seguir adiante, e colocar novamente o Museu Nacional de pé.

Essa luta para trazê-lo de volta é a maior homenagem que podemos prestar àqueles e àquelas que o fizeram ser a maior entidade científica do País.

Pensar a Educação, Pensar o Brasil
Belo Horizonte, 03 de setembro de 2018

 

 

Confira notas de outros grupos e instituições

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal de Minas Gerais

Associação Brasileira de Antropologia – ABA

Associação dos docentes da UFRJ – AdUFRJ

Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional – ANPUR

Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior -Andifes

Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências – ABRAPEC

Colégio Brasileiro de Altos Estudos – UFRJ

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Departamento de Geografia e Meio Ambiente da Pontifícia Universidade Católica do Rio (via Jornal da Ciência)

Departamento de História da PUC-Rio

Docentes, pesquisadores e servidores da UFMG

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Fundação Oswaldo Cruz – Fiocuz

Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM

Instituto Mamiraua

International Council Of Museums

International Standing Conference for the History of Education

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – UNESCO

Pontifícia Universidade Católica – Rio de Janeiro

Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFMG

Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social sobre o incêndio do Museu Nacional –  UFRJ

Programa de Pós-Graduação em Ciência Sociais da da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rede Brasileira de Coleções e Museus (via Jornal da Ciência)

Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior – ANDES-SN

Sociedade Brasileira de História da Ciência

Sociedade Brasileira de História da Educação – SBHE

Sociedade de Arqueologia Brasileira

Universidade Estadual Paulista

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

 

Leia mais

“Tragédia sem precedentes”, diz arqueólogo Thomas de Toledo (via Brasil 247)

O caráter criminoso das políticas de austeridade e a morte do Museu Nacional – Alexandre Fortes, Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação UFRRJ (via Jornal GGN)

O ajuste fiscal de Temer na tragédia do Museu Nacional. Por Gibran Jordão (via DCM)

‘As cinzas da ciência’: paleontólogo lamenta incêndio no Museu Nacional, com fóssil mais antigo das Américas no acervo (via G1)

Diretor do Museu Nacional explicou sua importância e fez um apelo por sua manutenção (via DCM)

Ciência reduzida a cinzas, por Ergon Cugler (via GGN)

“Se pudessem, nos queimavam também”: o desabafo de um servidor do Museu Nacional (via DCM)

Perda inestimável: entidades científicas lamentam incêndio no Museu Nacional (via Jornal da Ciência)

Destruição de museu era ‘tragédia anunciada’, dizem pesquisadores (via Estado de São Paulo)

Insubstituível, acervo tinha desde fóssil mais antigo até meteorito (via Folha de São Paulo)

Mais que um incêndio, um triste símbolo de um país que abandona a si mesmo (via El País)

A destruição para além do físico (via Agência Brasil)

Pesquisadores de museologia pedem colaboração para resgate de acervo (via Agência Brasil)

Museu Nacional: cientista arromba porta de prédio em chamas para recuperar peças ‘insubstituíveis’ (via BBC)

O Brasil queimou – e não tinha água para apagar o fogo (via El País)

Sem investimentos, Museu Nacional tem acervo histórico destruído por incêndio – reportagem de Alicianne Gonçalves e a entrevista  com o professor Marcus Taborda (via UFMG)

Destruição de um dos maiores acervos científicos do mundo deveria gerar muito mais vergonha do que tristeza – MAURÍCIO TUFFANI (via Direto da Ciência)

Manifesto das principais entidades científicas do país em apoio ao Museu Nacional e à conservação do patrimônio científico e histórico do Brasil. (Via ABC/SBPC)

Há cinismo sobre as cinzas do Museu Nacional – Josias de Souza

Carta Aberta aos Ministérios da Educação e da Cultura  (via UFMG)

Carta Aberta aos Ministérios da Educação e da Cultura  (via UFMG)

Qual será o próximo incêndio? Texto de Vanderlan Bolzani, vice-presidente da SBPC (via SBPC)

A vida e a morte da ciência e da memória nacionais (via SBPC)

Museu Nacional em chamas. Antropologia em luto. (via Catarinas)

Verba usada no Museu Nacional em 2018 equivale a 2 minutos de gastos do Judiciário e 15 minutos do Congresso (via BBC)

Incendie du Musée de Rio : « Le fruit d’une négligence absolue » (via Le Monde)

Fogo queimou conhecimento que ainda nem havia sido obtido (via Terra)

Por que o crânio de Luzia é tão importante para a ciência? (via DW)

Conversa ao pé do fogo (via Jornal da Ciência)

Hoje não é dia do biólogo (via Jornal da Ciência)

Museu Nacional: política do Estado mínimo destrói tudo o que é público (via Notícias do Dia)

Museu Nacional do Brasil. Um país à procura de si perde o arquivo onde podia encontrar as respostas (via Sapo)

O descaso que corrói o patrimônio, de parque arqueológico à casa de Santos Dumont (via El País)

Museus devem ser incinerados ou cozidos a fogo lento? (via Correio do Povo)

Em cinzas mais um pouco da nossa história (Jornal A Tarde via Jornal da Ciência)

O futuro que já não conheceremos (via El País)

A ciência arde em berço nada esplêndido no Brasil (via Nexo jornal)

A saga do Bendegó se torna símbolo da resistência do Museu Nacional (via O Globo)

Em discussão com UFRJ sobre orçamento, MEC revela autoritarismo burocrático (via Direto da Ciência)

Sebrae diz que entrará na Justiça contra criação da Abram (via Agência Brasil)

UFRJ inicia contratações para reconstrução do Museu Nacional (via Agência Brasil)